30 junho 2019

Pentágono tem um laser que pode identificar pessoas à distância e pelo batimento cardíaco

O coração de todos é diferente. Tal como a íris ou a impressão digital, a nossa assinatura cardíaca única pode ser usada como uma forma de nos diferenciar. Crucialmente, isso pode ser feito à distância.

Esse é o último ponto que intrigou as Forças Especiais dos EUA. Outras técnicas biométricas de longo alcance incluem a análise da marcha, que identifica alguém pela maneira como ele caminha. Este método foi supostamente usado para identificar um infame terrorista ISIS antes de um ataque de drone.

Mas os movimentos, como rostos, não são necessariamente distintos. A assinatura cardíaca de um indivíduo é única e, ao contrário dos rostos ou da marcha, permanece constante e não pode ser alterada ou disfarçada.

Um novo dispositivo, desenvolvido para o Pentágono depois que as Forças Especiais dos EUA o solicitaram, pode identificar pessoas sem ver seu rosto: em vez disso, ele detecta sua assinatura cardíaca exclusiva com um laser infravermelho.

Enquanto funciona a 200 metros, distâncias maiores podem ser possíveis com um laser melhor. “Eu não quero dizer que você poderia fazer isso do espaço”, diz Steward Remaly, do Escritório de Apoio Técnico de Combate ao Terrorismo do Pentágono, “mas intervalos mais longos devem ser possíveis”.

Sensores infravermelhos de contato são frequentemente usados ??para gravar automaticamente o pulso de um paciente. Eles trabalham detectando as mudanças na reflexão da luz infravermelha causada pelo fluxo sanguíneo. Por outro lado, o novo dispositivo, chamado Jetson, usa uma técnica conhecida como vibrometria a laser para detectar o movimento da superfície causado pelo batimento cardíaco.

Isso funciona com roupas típicas como uma camisa e uma jaqueta (embora não sejam roupas mais grossas, como um casaco de inverno).

A maneira mais comum de realizar a identificação biométrica remota é pelo reconhecimento facial. Mas isso precisa de uma boa visão frontal do rosto, o que pode ser difícil de obter, especialmente a partir de um drone.

O reconhecimento facial também pode ser confundido com barbas, óculos escuros ou lenços de cabeça.

Assinaturas cardíacas já são usadas para identificação de segurança. A empresa canadense Nymi desenvolveu um sensor de pulso usado no pulso como alternativa à identificação de impressões digitais.

A tecnologia foi testada pela Halifax building society no Reino Unido.

A Jetson estende essa abordagem adaptando um dispositivo de prateleira geralmente usado para verificar a vibração à distância em estruturas como turbinas eólicas.

ara a Jetson, um cardan especial foi adicionado para que um ponto de laser invisível, do tamanho de um quarto de tamanho, pudesse ser mantido em um alvo.

Demora cerca de 30 segundos para obter um bom retorno, por isso, neste momento, o dispositivo só é eficaz quando o assunto está sentado ou em pé.

Melhor que o reconhecimento facial

A equipe de Remaly desenvolveu algoritmos capazes de extrair uma assinatura cardíaca dos sinais de laser.

Ele afirma que o Jetson pode alcançar mais de 95% de precisão sob boas condições, e isso pode ser melhorado ainda mais. Na prática, é provável que o Jetson seja usado juntamente com o reconhecimento facial ou outros métodos de identificação.

Wenyao Xu, da Universidade Estadual de Nova York, em Buffalo, também desenvolveu um sensor cardíaco remoto, apesar de funcionar a até 20 metros de distância e usar o radar. Ele acredita que a abordagem cardíaca é muito mais robusta do que o reconhecimento facial.

“Em comparação com a face, a biometria cardíaca é mais estável e pode atingir mais de 98% de precisão”, diz ele.

Uma limitação gritante é a necessidade de um banco de dados de assinaturas cardíacas, mas mesmo sem isso o sistema tem seus usos. Por exemplo, um insurgente visto em um grupo que planta um IED pode, posteriormente, ser identificado positivamente a partir de uma assinatura cardíaca, mesmo que o nome e o rosto da pessoa sejam desconhecidos.

Os dados biométricos também são coletados rotineiramente pelas forças armadas dos EUA no Iraque e no Afeganistão, portanto, dados cardíacos podem ser adicionados a essa biblioteca.

A longo prazo, essa tecnologia pode encontrar muitos mais usos, acreditam seus desenvolvedores. Por exemplo, um médico pode procurar por arritmias e outras condições remotamente, ou os hospitais podem monitorar a condição dos pacientes sem precisar conectá-los às máquinas.

O post Pentágono tem um laser que pode identificar pessoas à distância e pelo batimento cardíaco apareceu primeiro em Arquivo UFO.



Read More

NASA vai procurar vida alienígena em Titã

A NASA está voltando para a lua, mas não aquela em que você está pensando.

A agência espacial anunciou hoje que vai lançar uma missão robótica em Titã, a maior lua de Saturno, em 2026. A missão, chamada Dragonfly, vai levar à superfície uma nave espacial dronelike.

O drone espacial, que de fato se assemelha ao seu inseto epônimo, saltará de um ponto a outro, fazendo medições do solo e da atmosfera.

Para uma lua, Titã tem algumas coisas em comum com a Terra. Tem uma atmosfera e clima. Chuvas líquidas de nuvens espessas, enchendo bacias e canyons, então evapora de volta para o céu, onde o processo começa de novo. Na Terra, esse loop envolve água.

Em Titan, envolve metano. As temperaturas na Lua são tão extremas que o gás flui como um líquido, produzindo corpos de líquido tão grandes quanto os Grandes Lagos da América do Norte.

Existem algumas diferenças cruciais entre a Terra e a lua de Saturno, é claro; por exemplo, a temperatura da superfície em Titã é sempre um frio de 292 graus abaixo de zero Fahrenheit (180 graus abaixo de zero Celsius), mais ou menos um grau ou dois. A atmosfera é tão espessa que muito pouca luz do sol toca o chão.

E, no entanto, Titã está entre um dos melhores candidatos para a vida extraterrestre no sistema solar – mas não do tipo que estamos acostumados.

“Titan tem todos os principais ingredientes necessários para a vida”, diz Lori Glaze, diretor da divisão de ciência planetária da NASA.
Mais histórias

As primeiras observações da NASA sobre o Titan remontam às missões Voyager que percorreram os planetas e luas exteriores nas décadas de 1970 e 80. As câmeras da espaçonave não conseguiram penetrar na atmosfera de Titã, a mais espessa do sistema solar.

A lua parecia um mármore da cor da mostarda, tão suave e sem feições que parecia quase desafiante, guardado contra esses objetos voadores de outra terra.

Uma nave espacial européia chegou a Titã em 2005. Sob a neblina, a sonda Huygens capturou fotografias e as enviou de volta à Terra. As opiniões pareciam estranhas e familiares.

“De repente, temos uma foto dos barrancos, que não sabíamos que existiam”, Jonathan Lunine, que estudou Titã desde o início dos anos 80, me contou uma vez sobre o momento em que as imagens chegaram. “Eu gritei quando eu vi aqueles.”

Na Terra, a água corrente esculpe ravinas em paisagens rochosas. Em Titã, o metano é responsável.

A Huygens esgotou suas baterias em menos de três horas. Mas os astrônomos ainda tinham olhos em Titã. A Huygens foi deixada pela Cassini, uma espaçonave da NASA que permaneceu em órbita ao redor de Saturno até 2017, ocasionalmente balançando-se à lua para coletar dados e fotos.

Cassini forneceu evidências para os lagos de metano lá. Os cientistas há muito tempo previam sua existência, mas estavam cheios de surpresas.

Os lagos titânicos são calmos e sem textura, com apenas algumas ondulações aqui e ali. O tipo de ondas rolando pelo Lago Michigan não está em nenhum lugar, e os cientistas ainda estão tentando descobrir o porquê.

Quando a Cassini ficou sem combustível, a NASA enfrentou um cenário desconfortável. Uma espaçonave morta é impossível de controlar, e os cientistas temiam que a Cassini caísse em Titã e se espalhasse pela superfície, possivelmente contaminando a vida – se alguma existisse.

Para proteger a nebulosa lua, engenheiros deliberadamente empurraram Cassini para Saturno, um planeta gasoso incapaz de receber a vida.

Dragonfly vai procurar sinais de vida, antigos e presentes. Na atmosfera de Titã, naves espaciais detectaram carbono, hidrogênio, nitrogênio, etano e outros elementos dos quais a vida depende da Terra.

Eles até encontraram um composto que poderia interagir com o metano e o etano para criar membranas semelhantes a células.

Os cientistas suspeitam que Titã possa ter água – H2O real e real – ocultando-se sob sua superfície.

O post NASA vai procurar vida alienígena em Titã apareceu primeiro em Arquivo UFO.



Read More

An amazing recent fossil discovery: a whole school of fish! A...



An amazing recent fossil discovery: a whole school of fish! A single slab of limestone from the Green River Formation in North America contained 259 fish of the extinct Erismatopterus levatus species. They lived between 56 to 34 million years ago.

The discovery is exciting because it is a rare case of fossils demonstrating behavior – in this case, that fish have gathered into shoals for millions of years.

Read More

Visit –>...



Visit –> www.all-about-psychology.com/the-reply-of-a-physiologist-to-psychologists.html to read ‘The Reply of a Physiologist to Psychologists. A Classic article by Ivan Pavlov on the physiological vs. psychological nature of conditioning.

Read More

Visit –>...



Visit –> www.all-about-psychology.com/paranormal-psychology.html to learn all about the study of paranormal experience and belief.

Read More