01 setembro 2017

Urandir, Projeto Portal, ET Bilu e a abdução em 2002

A Associação Projeto Portal foi fundada em outubro de 1997 e chegou a contar com mais de 370 mil pessoas em sua sede, em Mato Grosso do Sul. Centros de pesquisa teriam sido criados em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Brasília, Vitória e Natal. No exterior, um núcleo de Paris.

A principal sede do Projeto Portal está localizada na fazenda Projeto Portal, no município de Corguinho, Estado de Mato Grosso do Sul e está localizado a aproximadamente 120 km de Campo Grande. Encontra-se cerca de 19° de latitude Sul. Isto torna mais fácil e dá condições à ocorrência de fenômenos UFO, possibilitando a pesquisa científica.

Urandir Fernandes de Oliveira

Urandir Fernandes de Oliveira, paranormal e ufólogo, conhecido no meio da Ufologia como UFO (iniciais de seu nome) é o fundador da Associação Projeto Portal, composto por centenas de pesquisadores, realizando pesquisas em diversas áreas, como geologia, biologia, geografia, física, paleontologia, entre outros.

Um dos principais objetivos do Projeto Portal é explicar fenômenos desconhecido que muitas vezes são atribuídos a ufologia.

A Cidade Zigurats

A Associação Projeto Portal é a fundadora da Cidade Zigurats. Elaborado com edifícios diferenciados da arquitetura comercial e tradicional, as casas têm em forma de arco, cúpula, tabuleiro de damas e tampas em forma de pirâmide. Seu desenvolvimento teria como propósito suportar possíveis anomalias causadas pela natureza, como terremotos, tempestades de vento, etc.

Estas casas são projetadas em detalhes dentro da simetria matemática universal que fornece resultados exatos e precisos, assim como a simetria através da natureza e do corpo humano. As vantagens seriam os ambientes com grande acústica,iluminação e maior percepção do ambiente ao redor, culminando na produção de frequências altamente positivas, na estabilização do campo biomagnético, desenvolvimento pessoal e os recursos energéticos.

A cidade Zigurats está localizada sobre uma grande placa de sedimentos, o que impede ou inibe a ocorrência de tremores de terra; esta arquitetura distinta é o resultado de uma tecnologia herdada de civilizações antigas para a prevenção de terremotos ou outros desastres naturais. As casas têm paredes espessas projetadas para suportar ventos de até 300 km e outras anomalias climáticas possíveis que podem acontecer.

Abdução

Em 15 de setembro de 2002, as manchetes do Brasil estampavam um suposto caso de abdução de OVNI de um residente de Corghinho, chamado Urandir Oliveira, alegando que ele foi contatado telepaticamente por extraterrestres e posteriormente teletransportado de sua cama a bordo de uma nave alienígena.

O evento foi supostamente testemunhado por 28 pessoas presentes na fazenda que viram um grande “disco de luz” (50 metros de diâmetro) que pairou silenciosamente acima da casa a cerca de 100 metros de altura, então o disco derrubou um feixe de luz azulado e “abduziu” um homem que estava deitado na cama.

Era cercam de 20h quando os residentes entraram na casa e encontraram um cheiro de ozônio intenso. O homem, que foi abduzido, voltou depois de 48 horas e disse que poderia falar de sua experiência (alegadamente era a sua 3ª abdução).

É o primeiro caso na história da Ufologia onde provas físicas teriam sido deixadas pelas Inteligências Extraterrestres envolvidas.

Urandir afirmava que havia evidências físicas de seu encontro sob a forma de roupas de cama queimadas e marcas de chamas no teto de onde ele estava dormindo.

Ele diz que foi tirado de sua cama, teletransportado em um feixe de luz através do teto de sua casa até um OVNI que estava logo acima.

Enquanto o abdução estava acontecendo, várias pedras em forma de disco teriam caído do céu:

ET Bilu

Em 2010, a Rede Record anunciou ter filmado a existência de um extraterrestres vivo, na cidade de Corguinho, a 90 quilômetros de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

Bilu, que parece ser um humanoide pequeno, tem uma voz infantil e só pode ser visto através de câmeras infravermelhas, mas quase sempre escondido atrás de arbustos e em constante movimento em um “comportamento alegre” para com as pessoas.

“É Bilu, um ser de Pégasus, da raça dos Laquins, de 1,40 m”, informou Urandir, na época, em frente as câmeras de uma das emissoras de TV do Brasil.

A reportagem, que durou cerca de 21 minutos, mostra uma visita noturna ao local onde a equipe do programa faz o avistamento do ET com alguma dificuldade.

Bilu, então, aparece a poucos metros da câmera. A jornalista pergunta: “Qual é a sua mensagem para a Terra?”, ele responde, em português: “Apenas que busquem conhecimento”.

Peritos são convidados a analisar as imagens à convite da reportagem. Ambos, enfaticamente, dizem se tratar de uma fraude.



Read More

Caso Fortunato: o mais famosa abdução alienígena da Itália

Em 1978, um guarda de segurança privado estava destinado a ter um dos encontros mais estranhos e aterrorizantes com seres extraterrestres já gravados.

Na noite gelada e sem lua de 6 de dezembro de 1978, um vigia noturno de 26 anos, marido e pai de dois, chamado Pier Zanfretta, estava em uma patrulha de rotina na aldeia de Torriglia, quando ele tropeçou em um encontro horripilante com criaturas que mudaram sua vida para sempre.

De acordo com o relatório de Zanfretta, ele estava em sua viatura a caminho de sua casa de um cliente, o Dr. Ettore Righi, quando o motor, o rádio e as luzes de seu veículo simultaneamente, e inexplicavelmente, apagaram.

Foi nesse momento que Zanfretta afirmou ter visto quatro luzes se movendo no jardim da casa. Supondo que as luzes fossem emanadas das lanternas de ladrões, Zanfretta baixou silenciosamente o carro com o revólver e a lanterna.

O guarda de segurança – corajosamente comprometido em proteger a casa de seu cliente – silenciosamente entrou pelo portão aberto e se arrastou ao longo de uma parede de pedra em um esforço de surpreender os assaltantes … foi então que ele teve o choque da vida dede.

Enquanto se preparava para sair e enfrentar esses intrusos, Zanfretta sentiu algo tocar seu ombro por trás. Ele girou ao redor, com revólver na mão, mas em vez de encontrar um criminoso humano comum iluminado pelo olhar severo de sua lanterna, ele viu uma entidade que ele descreveu como sendo: “Uma enorme criatura verde, feia e espantosa, com pele ondulada … como se ele eram muito gordurosos ou vestiam uma túnica lisa e cinza … nada menos que 3 metros de altura”.

Em entrevistas posteriores, Zanfretta incluiria descrições mais explícitas sobre essas criaturas ostensivamente interestelares, incluindo características como pele peluda, esverdeada, pontos na laterial de seus rostos, dedos arredondados, monstruosos, olhos triangulares amarelos e veias vermelhas na testa.

Com base nesta descrição, essas formas de vida podem ser semelhantes às que alguns acreditam serem uma raça particularmente desagradável de ET conhecida como reptiliano. Zanfretta também descreveu um aparelho mecânico único que cabia sobre suas bocas, o que lhes permitia respirar na atmosfera rica em oxigênio da Terra.

Mais tarde, enquanto estava sob hipnose, ele lembrou perguntar a essas criaturas sobre o dispositivo estranho: “Por que você não tem boca?”.

Zanfretta ficou tão atordoado com a visão diante dele que ele imediatamente largou sua lanterna, mas – no que era sem dúvida uma explosão de autocontrole adrenalina – ele conseguiu apanhá-lo apressadamente e se afastar do visitante estranho. Quando ele se aproximou de seu carro, Zanfretta testemunharia que uma luz brilhante começou a aparecer atrás dele.

Ele olhou por cima do ombro para ver uma forma enorme e triangular, que o cegou com sua luminosidade. Zanfretta protegeu os olhos com o braço e admirou o gigantesco OVNI – que ele afirmou eclipsar até a casa em sua imensidão – subiu com um “silvo” por trás da residência de Righi.

Foi nesse ponto que Zanfretta afirmou ter sentido uma onda de calor abrasador. Lutando, o guarda finalmente voltou ao carro onde ele entrou em contato com o centro de operações da sua companhia de segurança nas proximidades de Génova.

Foi precisamente às 12h15 da manhã. quando Carlo Toccalino – o operador de rádio da empresa de segurança – declarou que Zanfretta estava falando de forma confusa e agitada. Toccalino afirmou que o pouco que ele podia discernir sobre o balbucio incoerente de Zanfretta consistia em descrições de seres estranhos e desumanos.

Quando Toccalino perguntou a seu colega para descrever quem o atacava, a resposta chocante de Zanfretta era: “Não, eles não são homens, eles não são homens … meu Deus, são feios!”.

Nesse ponto, as comunicações foram interrompidas abruptamente e Toccalino chamou o chefe do serviço de segurança, tenente Giovanni Cassiba. Cassiba – certamente preocupado com o bem-estar de seu homem quanto com a propriedade de seu cliente – enviou outra patrulha para verificar a demora de Zanfretta.

Devido às condições traiçoeiras, a segunda patrulha não chegou ao local até aproximadamente uma hora depois. Era às 1:15 da manhã, quando os dois observadores da noite, Walter Lauria e Raimondo Mascia, descobriram Zanfretta deitado no chão congelado em frente à casa de Righi.

Quando Zanfretta viu os guardas que se aproximavam, ele se pôs em pé, com os olhos arregalados de medo, pistola e lanterna, ambos apontados para seus camaradas. Lauria e Mascia atestavam que o homem, geralmente tímido e lúcido, estava irracional e não parecia reconhecê-los, nem parecia compreender seus pedidos urgentes para que ele abaixasse a arma.

Os guardas, temendo por seu próprio bem-estar, correram até Zanfretta e, felizmente, conseguiram desarmá-lo antes que houvesse acidentes involuntários.

Este evento foi tão perturbador que a polícia militar italiana – o Carabinieri – foi imediatamente despachada para a área para investigar. Na mesma noite, eles encontraram duas marcas distintas na grama atrás da casa.

Essas imensas impressões – que alguns especularam podem ter sido criadas pelo trem de pouso do OVNI triangular – foram medidas para ter 2.7 metros de diâmetro e foram moldadas como ferraduras.

O comandante da estação Torriglia, Antonio Nucchi – que conhecia Zanfretta há muitos anos – declarou inequivocamente que acreditava na veracidade do testemunho francamente extraordinário da guarda.

Quando perguntado a sua opinião sobre a estabilidade mental desta sentinela profissional, Nucchi respondeu: “Posso afirmar com certeza que ele é um homem de pensamento claro sem fantasias estranhas na cabeça dele. Quando fomos investigar a cena no dia seguinte, ele quase não queria vir, ele estava tão assustado. Somente algo excepcional poderia ter assustado ele assim”.

Durante a investigação, Nucchi revelou que não menos de 52 cidadãos de Torriglia haviam relatado uma luz brilhante que emanava na direção da casa de Righi ao mesmo tempo que Zanfretta testemunhou ver o OVNI triangular se levantar para a atmosfera.

A história poderia muito bem ter terminado, mas a história da aldeia de Torriglia logo chegou a imprensa ganhando uma repercussão extraordinária de OVNIs, visitantes estrangeiros gigantes e um guarda de segurança petrificado.

Não surpreendentemente, as reações que a maioria dos repórteres da televisão e do jornal tiveram para essa história variaram desde o ceticismo educado até o puro ridículo de Zanfretta e seu estado mental.

Alguns chegaram até a ponto de afirmar que ele estava mentindo sobre o todo.

Di Stefano, um jornalista, ficou intrigado com o caso Zanfretta e escreveu vários artigos sobre o assunto. Ao contrário da maioria de seus colegas, Di Stefano não conseguiu entender por que um marido e pai, que estava engajado em uma profissão respeitada, comprometeria sua carreira e sua reputação na comunidade, inventando uma história tão absurda como essa.

Então ele entrou em contato com Zanfretta para chegar ao fundo desse mistério. O que pareceu confirmar a crença de Di Stefano na sinceridade de Zanfretta – acima e além das outras 52 testemunhas oculares que alegaram ter visto uma luz bizarra na área.

Em uma das publicações, ele escreve: “Zanfretta não queria ser famoso. Ele recusou a notoriedade, porque ele estava preocupado com seu trabalho e sua família”.

“As pessoas me ligam ao telefone em todas as horas apenas para brincar com piadas. Não sei o que vi, mas eu vi. Eu não sou um mentiroso … se eu pudesse ter, eu não teria relatado minhas experiências, agora que vejo as conseqüências”, disse Zanfretta, ao repórter.

Em 23 de dezembro de 1978, Zanfretta, assessorado por Di Stefano, concordou em submeter-se à hipnose, a fim de esclarecer o que realmente aconteceu na fatídica noite de 6 de dezembro.

A sessão foi realizada em Génova e presidida pelo Dr. Mauro Moretti, um psicoterapeuta e membro da Associação Italiana de Hipnose Médica. Durante a sessão, Zanfretta confirmou que não só ele realmente viu seres de outro mundo, mas que esses fanáticos colossais realmente o abduziram.

Ele ainda afirmou, sob a hipnose, que essas aparições terríveis o haviam transportado para um local quente e luminoso, onde o examinaram minuciosamente e o interrogaram. De acordo com Zanfretta, estas criaturas não falavam italiano, mas usavam um estranho “dispositivo luminoso” para traduzir o que diziam.

Durante a mesma sessão, Zanfretta também disse que as criaturas vieram do planeta “Teetonia”, que estava localizado na “terceira galáxia” e que – talvez de forma mais perturbadora – “eles querem conversar conosco e que em breve retornarão em maior número. “Deve-se notar que “em breve” poderia ser um conceito relativo de espécies provenientes de outro mundo.

Infelizmente para Zanfretta, as abduções horríveis não pararam aqui. Às 11h45 da noite, na véspera de 26 de dezembro, cheia de chuva, apenas três noites após sua primeira sessão de hipnose – Zanfretta afirmou ter sido levado novamente.

O guarda afirmou que estava dirigindo seu carro de patrulha através do túnel de Bargagli, perto do Passe Scoffera, quando de repente ele perdeu o controle do veículo. Aflito de pânico, ele imediatamente transmitiu e informou que seu carro agora estava se auto conduzido em um túnel.

Zanfretta tentou desesperadamente engatar os freios e o volante, mas Fiat continuou através do chuvoso banco de nevoeiro em uma inclinação íngreme. Depois de viajar no carro presumivelmente remoto e controlado por cerca de uma milha, o Fiat finalmente chegou a uma parada. Zanfretta foi empurrado para a frente pelo impulso e esmagou a cabeça contra o volante. Foi então que seu carro estava banhado por uma luz branca.

Neste ponto, o operador de rádio da empresa de segurança afirmou que Zanfretta chamou, falando no que ele descreveu como uma “voz muito controlada”, afirmando que: “O carro parou. Eu vi uma luz brilhante. Agora estou saindo”.

Como o primeiro incidente, Zanfretta e seu veículo foram descobertos às 1:10 da manhã. por outro meio de guardas de segurança. O primeiro homem a detectar Zanfretta foi o sargento Emanuele Travenzoli.

Travenzoli afirmou que encontrou Zanfretta em um campo perto da estrada e, apesar do contínuo avanço, suas roupas estavam quentes e secas. Travenzoli também afirmou que Zanfretta estava em estado de choque; tremendo e chorando.

Desta vez, os homens na cena ficaram perturbados ao ouvir o companheiro declarar: “Eles dizem que devo ir com eles. E os meus filhos? Eu não quero … Não quero”.

Mais uma vez, os Carabinieri foram convocados. Depois que eles chegaram em cena, os oficiais militares encontraram que, embora o Fiat estivesse exposto ao aguaceiro frio durante um longo período de tempo, o telhado do carro estava tão quente quanto estaria sob um sol escaldante.

Igualmente inexplicável, os oficiais revelaram que o interior do automóvel era tão “quente quanto um forno”.

Como se isso não fosse bizarro o suficiente, a polícia militar também descobriu que o Fiat estava cercado por impressões inexplicavelmente grandes que mediam 50 cm de comprimento, por 20 cm de largura. Essas impressões estranhas pareciam como um ponto distinto entre a sola e o calcanhar.

Este continua sendo um dos traços mais intrigantes da evidência física que já foi deixada no local de um suposto abdução alienígena. O Carabinieri então encontraram o revólver de Zanfretta – um Smith & Wesson 38 Special – que havia sido disparado cinco vezes.

Surpreendentemente, o guarda ainda assustado não conseguia se lembrar de quem ou o que tinha disparado a arma. Devido ao disparo inexplicado de balas, bem como ao furor público em torno desses sequestros, a investigação da polícia sobre esses eventos improváveis ??exigiu um relatório completo.

Em 3 de janeiro de 1979, todos os dados no caso foram coletados pelo comandante Nucchi em um arquivo denominado “Relatório sobre a observação de objetos voadores não identificados por Fortunato Zanfretta”. Esse arquivo foi encaminhado para o tribunal de magistrados em Génova com um questionário sobre as ações a serem tomadas.

Finalmente, o relatório foi entregue ao Magistrado Russo, que, um ano depois, em 11 de janeiro de 1980, certificou que poderia ser arquivado com a declaração de: “Nenhum crime cometido”.

O Carabinieri também informou o Departamento de Interior italiano e outros comandos militares do incidente por dois telex enviados respectivamente nos dias 8 e 28 de dezembro de 1978. O Carabinieri definiu o grau de confiabilidade que esses eventos bizarros realmente ocorreram como: “bom”.

Em dezembro de 1978, havia tantos avistamentos de OVNIs na Itália que Falco Accame – um ex-membro do Parlamento italiano – perguntou ao primeiro ministro da Itália, Giulio Andreotti e o ministro da Defesa, Attilio Ruffini, para informar o Congresso italiano sobre sua opinião sobre a natureza dos recentes avistamentos de OVNIs e sobre as ameaças que podiam representar para os cidadãos da Itália.

Após o seu segundo encontro com o desconhecido, Zanfretta tornou-se uma celebridade relutante.

Os seus empregadores – preocupados com toda a publicidade, bem como com a saúde mental do seu funcionário armado – pediram a um neurologista proeminente, Dr. Giorgio Gianniotti, que examinasse Zanfretta. Seu diagnóstico foi: “O homem está em estado de choque, mas ele está perfeitamente sã”.

As conclusões do Dr. Gianniotti ajudaram a melhorar a credibilidade, uma vez que o desconhecido estavam começando a tornar a vida um inferno vivo para Zanfretta e sua família. Foi então que Zanfretta concordou em se submeter a hipnose sob a supervisão do Dr. Moretti mais uma vez, e desta vez ele concordou em permitir que ele fosse televisionado em um esforço para provar que ele não estava louco.

Durante esta entrevista, Zanfretta lembrou de ter colocado a força um estranho capacete, o que lhe permitiu entender sua língua, mas lhe causou dor tremenda. Ele também lembrou que um dos extraterrestres pegou sua arma e disparou as balas em um “painel”, no que se pode assumir apenas um esforço para ver se as armas humanas tinham a capacidade de prejudicá-los.

Zanfretta então expressou medo sobre o fato de que eles poderiam obriga-lo a deixar seu lar e família para trás: “Eu sei que você precisa de mim, mas eu não quero. Eu gosto de estar sozinho. Eu tenho dois filhos. Eu me sinto bem assim … e depois de tudo vocês não são seres humanos. Você é horrível”.

Centenas de milhares de espectadores assistiram a essa entrevista extraordinária, mas em vez de limpar seu nome, isso apenas exacerbou o ceticismo de seus críticos e elevou sua celebridade de culto a um nível global.

Eventualmente, como é frequentemente o caso em eventos inexplicados, o furor morreu … foi até Zanfretta ter sido sequestrada pela terceira vez.

Na noite de 30 de julho de 1979, Zanfretta estava em uma patrulha de moto na área residencial em Gênova – longe dos picos solitários de Torriglia – quando ele desapareceu mais uma vez.

Mais uma vez, seus colegas guardas foram os primeiros em cena. Eles conseguiram encontrá-lo seguindo uma busca de duas horas na cúpula do Monte Fasce. As testemunhas locais alegaram que não tinham visto o guarda ou a motocicleta viajar pela única estrada que levava ao topo da montanha.

Desta vez, uma regressão hipnótica foi realizada no Centro Internacional de Hipnose Médica e Psicológica em Milão, onde, a seu pedido, Zanfretta foi injetada com penathol de sódio pelo Prof.

Enquanto esteve sob os efeitos do “soro da verdade”, Zanfretta afirmou que ele foi levado do chão para a nave espacial alienígena por uma misteriosa luz verde.

Seguindo o procedimento, o professor Marchesan confirmou que: “Nenhum ser humano pode, sabidamente, mentir enquanto está sob o tratamento de Pentothal, então acho que é muito provável que Zanfretta tivesse esses encontros”.

Ainda assim, para o pobre Zanfretta – e um colega de trabalho ainda mais infeliz – o pior ainda estava por vir. Por volta das 10:30 da tarde. No domingo, 2 de dezembro de 1979, Zanfretta desapareceu pela quarta vez enquanto dirigia um Austin Mini nos subúrbios de Génova.

Desta vez, no entanto, o homem de 26 anos não seria o único a ter uma proximidade com o inexplicável. Enquanto dirigia nas colinas de Gênova, quatro patrulheiros alegaram ter visto claramente uma nuvem muito estranha – como objeto flutuando acima deles.

De repente, dois feixes de luz pareciam emanar dentro da grande “nuvem”, iluminando os carros de patrulha abaixo.

Aparentemente, o chefe, o tenente Cassiba, ficou tão assustado com a visão diante deles que disparou a pistola contra o objeto desconhecido. Foi então que as luzes etéreas foram extintas e o OVNI sumiu.

Infelizmente, a reação assustada do tenente Cassiba traria o resultado mais trágico desse evento de testemunhas oculares incomum. Um desses guardas, Germano Zanardi, estava tão traumatizado com as implicações do que tinham visto que se dizia nunca poderia recuperar completamente sua estabilidade mental.

Alguns meses após esse encontro, ele terminou sua vida com um tiro de arma infligido na cabeça.

Justamente quando parecia que era impossível, este caso ganhou um giro ainda mais estranho, quando na segunda-feira, 3 de dezembro do mesmo ano, às 21h30.

Zanfretta saiu de seu carro de patrulha em um posto de gasolina perto do centro de Génova. Zanfretta afirmou que ouviu alguém lhe chamar em um local mal iluminado. Ele descreveu a entidade que estava falando com ele como uma figura alta, humanoide com uma cabeça calva, em forma de ovo, que estava vestida com um terno de xadrez que incluía uma placa de feita de “aço” no peito no lugar de uma camisa.

Zanfretta jurou que o som da voz do indivíduo extravagante o obrigou fisicamente a obedecer o pedido que viria a seguir. Aparentemente, a voz – que pode ou não ter sido telepática, como é frequentemente o caso de contatos extraterrestres – ordenou que ele dirigisse seu veículo em uma pequena nuvem que pairava logo acima do solo.

Zanfretta fez o que foi instruído e afirma que ele e seu carro de patrulha foram levitados dentro da nuvem e depositados em uma enorme nave espacial. A bordo do navio, o guarda foi autorizado a explorar com a companhia dos extraterrestres de grandes dimensões.

Dentro da nave colossal, Zanfretta afirmou ter visto cilindros grandes e transparentes preenchidos com um líquido azul estranho. Um dos cilindros disse ter contido um corpo “em forma de sapo”, que os extraterrestres explicaram: “Um inimigo nosso de outro planeta”.

Por volta desse tempo, esses seres mistificantes tentaram dar a Zanfretta uma esfera transparente com o que parecia ser uma pirâmide carregada eletricamente dentro. Os alienígenas alegaram que a utilização da esfera permitiria que os seres humanos compreendessem quem eram e como eles viviam.

Zanfretta tentou recusar o presente, afirmando que: “teve bastante de todos esses encontros estranhos e só queria voltar à sua vida normal”. No entanto, as criaturas insistiram em aceitá-lo, informando-lhe que devia dar a esfera a um homem de cujo nome ele nunca tinha ouvido antes, observou cientista americano e pesquisador do OVNI Dr. J Allen Hynek.

Zanfretta – por uma razão apenas clara para ele – afirma que, em vez de dar esse prêmio ao agora falecido Hynek, ele escondeu o objeto em algum lugar nas colinas perto de Génova.

Zanfretta desapareceu novamente em 14 de fevereiro de 1980, Depois disso, ele foi encontrado por seus colegas em estado de choque e sofrendo uma hipotermia leve. Um aldeão que morava nas proximidades declarou que apenas alguns minutos antes dos socorristas chegaram, ele viu uma enorme e radiante massa no céu.

Durante a próxima sessão de hipnose, o doutor Moretti encontrou Zanfretta de maneira incomum não cooperativa.

Enquanto estava hipnotizado, ele afirmou estar contactando os alienígenas e começou a falar uma língua estranha e desconhecida. Sua voz tornou-se gutural e ele proferiu frases crípticas como: “Pergunta com resposta negativa, tixel … você não pode resolver nada em um caso como este. Acreditar ou não acreditar não significa nada: cada coisa em seu próprio tempo”.

Contra todas as probabilidades, Zanfretta conseguiu desaparecer mais uma vez em 13 de agosto de 1980. Mas desta vez, ele estava sob investigação e foi encontrado antes dos extraterrestres.

Este foi o fim de suas abduções, pelo menos até recentemente, quando o antigo guarda de segurança aposentado reivindicou um novo contato com extraterrestres. O que continua a ser acompanhado.

Em 1984, Rino di Stefano escreveu um livro sobre esses enigmáticos eventos intitulados “O Caso Zanfretta”, que detalha os terríveis acontecimentos ocorridos entre 1978 e 1980.

Nesse mesmo ano, a rede nacional de radiodifusão nacional do estado, Rai Tv, fez um documento em duas partes – drama com base no livro. Embora não haja dúvidas de que a suposta série de eventos que aconteceu perto de Torriglia, Itália, vai de encontro com o absurdo, não se pode descartar o fato de que havia mais de 60 testemunhas adicionais desse estranho fenômeno aéreo e pelo menos uma alma perdeu sua vida por causa disso.

Até hoje, o caso perplexo de Pier Fortunato Zanfretta continua a ser o relato mais famoso de um sequestro alienígena da Itália. Mas, tão assustador quanto este caso, um trecho de uma das lembranças hipnóticas – sob a forma de uma advertência que ele parecia estar dando aos alienígenas – poderia pintar uma imagem mais otimista das intenções desses visitantes:

“Eu sei que vocês estão tentando vir com mais freqüência … não, vocês não pode vir para a Terra, as pessoas ficam assustadas quando olhom para você. Não podemos ter uma amizade”.

Talvez agora, uma década no século XXI, possamos estar prontos para receber esses viajantes intergalácticos … espero que eles tratem melhor as pessoas tecnologicamente inferiores do que a raça humana geralmente faz.



Read More

Did you know Tibet once controlled an empire? It ruled the...



Did you know Tibet once controlled an empire? It ruled the Himalayan highlands, Bengal, and the modern Chinese provinces of Gansu and Yunnan from 618 CE to about 840 CE. Between the first and third emperor, their territory expanded eventually to the height shown in the map above. But difficulty of transportation and communication, and religious tensions due to the introduction of Buddhism in the early 700s CE, led to infighting which pitted the royal family against ancient noble families and supporters of the new religion.

The last two emperors were assassinated, one by pro-native religionists, one by a Buddhist hermit. Yes, a Buddhist assassinated an emperor. After the death of the tenth emperor, the Tibetan Empire disintegrated into civil war.

Read More

Caso Maria Cintra e Leôncio Nunes Viana

De acordo com o caso Maria Cintra e Leôncio Nunes Viana. A Maria José Cintra , residente de um hospital, viu uma nave e um membro da tripulação.

Em setembro de 1968, o major Zani junto com o subordinado Aragão, o sargento Brandani e o tenente Carvalho, do quarto COMAR de São Paulo e também o sargento Horst, da guarnição da FAB, sediada em Bauru, visitaram Lins ouvindo várias testemunhas e preenchendo numerosos relatos dos casos que aconteceram lá.

Em 26 de setembro, os militares foram ao sanatório de Clemente Ferreira, juntamente com o Job Silva, administrador do hospital, para entrevistar a criada Maria José Cintra, que enfrentou um caso excepcional envolvendo um membro da tripulação de OVNI e o desembarque de uma nave espacial, durante o amanhecer do dia 25 de agosto de 1968.

Na noite anterior, o médico a serviço do hospital e outros funcionários passaram alguns minutos admirando uma bola de luz que se movia no céu.

Leôncio Nunes Viana, ocupante da cama 59, de 44 anos naquela época, disse que, à noite, foi ao banheiro, porque não conseguia dormir devido à sua doença (tuberculose) e quando ele voltou, ele se sentou em na cama com os pés sobre uma cadeira. Neste momento, ele viu assustado uma luz amarela iluminava sua janela e parte da sala.

O objeto irradiou luzes que variavam entre amarelo, verde e vermelho, ficando a uma distância de aproximadamente 150 metros e a altura de cerca de um metro e meio do solo.

Leôncio disse: “A parte inferior era redonda e coberta por uma cúpula transparente, ranhurada como uma cesta de papel e vi três pessoas perto do dispositivo usando roupas brancas e com movimentos lentos. O fenômeno durou alguns minutos e a luz desligou mais tarde”.

Maria José Cintra, mais conhecida como “Dona Mariquinha”, disse que por volta das 4:30 da manhã estava sentada na cama rezando, como costumava fazer ao acordar. Ela estava pensando em fazer café quando de repente ela ouviu um barulho muito estranho lá fora, como um carro afogado.

Ela abriu a cortina, inclinou-se para fora e viu uma mulher em pé e disse: “É para o internamento? Você espera um pouco, vou abrir a porta em um momento”.

Então, ela vestiu o casaco e, quando saiu, perguntou novamente a estranha se era um caso de internação. Segundo Mariquinha, a mulher era um pouco mais alta que 1,60m de altura e não falava bem, não era possível entender qualquer palavra que ela dizia.

A visitante vestiu um casaco azul brilhante com mangas compridas como se fosse uma túnica, um cinto colorido e um chapéu na cabeça do mesmo tecido (semelhante a um gobelim brilhante), mostrou um receptor muito bonito de 20 cm, todo brilhante.

Dona Mariquinha pensou que a visitante queria água e elas foram juntas até o bebedouro, que estava localizado no lobby, distante cerca de 30 metros.

Quando chegaram ao local, a mulher pegou uma caneca de 7 cm de altura e a encheram de água, bebendo depois. Então, ela continuou olhando os carros estacionados do administrador e do médico de serviço.

Quando Dona Mariquinha deu a garrafa com água, a mulher bateu no ombro e disse: “Embaúra, Embaúra, Embaúra”.

Já na porta de saída do hospital, a mulher estranha, em vez de sair do caminho normal, foi entre os canteiros de flores. Dona Mariquinha viu uma luz esmaecida e depois um dispositivo flutuando a cerca de 70 cm do chão, na forma de uma pera.

“Havia outra pessoa dentro do objeto, que deu a mão para a mulher entrar por uma abertura. O objeto fez um zumbido e decolou verticalmente”, disse a criada.

Ela recuou e começou a gritar: “Oh! É um disco voador, é um disco voador!”. Neste momento, desesperada, começou a chorar, e, devido a uma incontinência urinária, voltou para o quarto. Mais tarde, ela contou os eventos ao administrador e a sua esposa.

No dia seguinte, o administrador e outros funcionários notaram no chão as impressões dos sapatos de Maria Cintra juntas com outras marcas estranhas, de um sapato pontiagudo que não tinha saltos.

Também havia pedaços de grama queimada e uma depressão no solo com um diâmetro aproximado de 1,5 metros a 2 metros, com uma profundidade de 15 a 20 cm. De acordo com o administrador, havia uma sensação de calor no local durante a manhã desse dia .

Os oficiais da Força Aérea do Brasil fotografaram o local e coletaram amostras da depressão causada pelo pouso, depois enviaram para análise no Instituto Tecnológico de São José dos Campos.

Mesmo depois de um longo período de tempo, a vegetação não voltou a crescer neste lugar novamente.



Read More

Oração para se sentir fortalecido

Oração para se sentir fortalecido

Deus, Dono do tempo e da eternidade, teu é o hoje e o amanhã, o passado e o futuro.
Neste momento, quero te dizer obrigado por tudo aquilo que recebi de Ti.
Obrigado pela vida e pelo amor, pelas flores, pelo ar e pelo sol, pela alegria e pela dor, pelo o que foi possível e pelo o que não foi.
Ofereço-te tudo o que fiz , o trabalho que pude realizar, as coisas que passaram pelas minhas mãos e o que com elas pude construir.
Apresento-te as  pessoas que ao longo destes meses amei, as amizades novas e os antigos amores.
Os que estão perto de mim e aqueles que pude ajudar, as com quem compartilhei a vida, o trabalho, a dor e a alegria.
Mas também, Senhor, hoje quero te pedir perdão.
Perdão pelo tempo perdido, pelo dinheiro mal gasto, pela palavra inútil e o amor desperdiçado.
Perdão pelas obras vazias e pelo trabalho mal feito, perdão por viver sem entusiasmo.
Também pela oração que aos poucos fui adiando e que agora venho apresentar-Te, por todos meus ouvidos, descuidos e silêncios, novamente te peço perdão.
E diante de novos momentos, eu te apresento estes dias, que somente Tu sabes como chegarei a vivê-los.
Hoje, te peço para mim, meus parentes e amigos, a paz e a alegria, a fortaleza e a prudência, a lucidez e a sabedoria.
Quero viver cada dia com otimismo e bondade, levando a toda parte um coração cheio de compreensão e paz.
Fecha meus ouvidos a toda falsidade e meus lábios a palavras mentirosas, egoístas ou que magoem.
Abre sim, meu ser a tudo o que é bom.
Que meu espírito seja repleto somente de bênçãos para que as derrame por onde passar.
Senhor, a meus amigos que leem esta mensagem, enche-os de Sabedoria, Paz e Amor.
E que nossa amizade dure para sempre em nossos corações.
Enche-me, também, de bondade e alegria para que todas as pessoas que eu encontrar no meu caminho possam descobrir em mim um pouquinho de Ti.
Ensina-nos a repartir felicidade.
AMEM




Read More

Oração aos 3 Arcanjos

Oração aos 3 Arcanjos



Arcanjo Miguel,  Príncipe Guardião e Guerreiro,
defendei-me e protegei-me com Vossa espada,
não permiti que nenhum mal me atinja.
Protegei-me contra assaltos, roubos, acidentes,
contra quaisquer ato de violência.
Livrai-me de pessoas negativas.
Espalhai Vosso manto e vosso escudo de proteção
em meu lar, meus filhos e familiares.
Guardai meu trabalho, meus negócios e meus bens.
Trazei a paz e a harmonia.

Arcanjo Rafael, Guardião da saúde e da cura,
peço que Vossos raios curativos desçam sobre mim,
dando-me saúde e cura.
Guardai meus corpos físico e mental,
livrando-me de todas as doenças.
Expandi Vossa beleza curativa em meu lar,
meus filhos e familiares, no trabalho que executo,
para as pessoas com quem convivo diariamente.
Afastai a discórdia e ajuda-me a superar conflitos.
Arcanjo Rafael, transformai a minha alma e o meu ser,
para que eu possa sempre refletir a Vossa Luz.

Arcanjo Gabriel, Portador das boas novas,
das mudanças, da sabedoria e da inteligência,
Arcanjo da Anunciação trazei todos os dias mensagens boas e otimistas.
Fazei com que eu também seja um mensageiro,
proferindo somente palavras e atos de bondade e positivismo.
Concedei-me o alcance de meus objetivos.

Queridos Arcanjos Miguel, Rafael e Gabriel
Que o Círculo de Luz e Proteção que emanam de Vós me cubram,
à minha família, aos meus amigos, aos meus bens e a toda a humanidade.



Read More

O Caso Mirassol: Pai de Uma Criança Extraterrestre?

No dia 28 de junho de 1979, um homem simples, do interior paulista, da cidade de Mirassol, passa por uma experiência de contato pessoal com extraterrestres.

Era madrugada, em torno de três horas, quando Antônio Carlos Ferreira, vigia de uma empresa de móveis, saiu do banheiro em direção ao pátio para voltar ao seu posto.

Mas não conseguiu cumprir o seu trabalho: viu três pequenos seres, de 1,20m de altura e um objeto que chamou de “bola” no céu.

Um dos seres projetou a luz de um aparelho semelhante a um revólver até Ferreira e, sem saber como, ele de repente se viu no interior do objeto.

O UFO era redondo, com um bico na parte superior, e tinha 3 pés. Chegando no interior, Antônio foi colocado diante de um aparelho semelhante à nossa televisão.

As luzes da sala eram vermelhas e verdes e no alto havia uma intensa luz vermelha. Antônio, é claro, teve medo, mas em nenhum momento foi maltratado.

Mas eram dois tipos de seres: alguns quase negros e outros de cor verde, sendo que aqueles que buscaram Antônio no solo usavam máscaras.

As roupas eram brancas e brilhantes, as orelhas pontudas e a boca como as dos seres humanos. Mas Antônio não entendia nada do que diziam.

Sentado em frente ao aparelho parecido com a televisão, Antônio pôde ver os seres acenderem o objeto apertando um botão.

O homem notou que todas as luzes da sala estavam acesas e que era tudo muito bonito, de forma a acalmá-lo apesar de toda a situação.

A voz dos seres era rouca, semelhante à de um japonês, como lembrou Antônio, mais tarde. Mas ao mesmo tempo também lhe passava tranqüilidade.

Curiosamente, Antônio notou que os seres pareciam muito satisfeitos e alegres com a sua presença na nave. Ficou ali um tempo que não soube precisar, até que mais uma vez apontaram para ele a pequena pistola e então só veio a acordar daí algum tempo, no pátio da empresa.

Tudo isso foi estudado por ufólogos e parapsicólogos brasileiros e estrangeiros, detalhadamente, todos eles chegando à conclusão de que, no mínimo, Antônio não mentiu em nenhum ponto de sua história, nem teria condições culturais para criar tudo o que diz ter passado.

O mais incrível, no entanto, é que, depois de todo esse seqüestro por extraterrestres, Antônio voltou a passar por uma série de contatos sem igual.

Anos após, no dia 7 de agosto de 1982, Antônio caminhava sozinho pelas ruas da cidade, quando viu uma nave de forma arredondada se aproximar, pairando no ar.

De repente, uma das portas do UFO se abriu e surgiu um dos seres que ele conhecera anteriormente, ao lado de uma estranha criança.

Os seres ficaram ali, na porta, apenas olhando e se deixando ver sem emitir qualquer som ou contato telepático com Antônio. E, da mesma forma que surgiram, eles se foram.

Nesse mesmo ano, os seres reapareceram, só que dessa vez levaram Antônio até a nave.

Ele foi sugado do solo até o interior da nave por um feixe de luz verde. Lá viu um enorme salão, com vários UFOs pousados.

Antônio foi levado até uma sala onde havia uma espécie de cama, seus braços foram presos, e no esquerdo foi colocado um aparelho enquanto injetavam em sua veia um líquido amarelo.

Mais tarde soltaram o braço dele e então foi levado a um local mais amplo, onde estava a extraterrestre que na vez anterior surgira à porta com a estranha criança.

A criança era idêntica aos seres, com pele escura, cabelos vermelhas e orelhas pontudas. A mãe, ao lado, apenas olhava para o terrestre.

Antônio enfim entendeu que ele era o pai daquele pequeno ser e que tivera uma relação sexual com a mãe, ainda na primeira visita à nave, e que os seres queriam se mostrar agradecidos por isso.

Poucos meses depois, pela Quarta vez consecutiva, Antônio Carlos voltou a ter contato com os seres: ele caminhava por uma rua da sua cidade quando sentiu tonturas e formigamento no braço esquerdo.

Ao sentir-se melhor, se viu seguido por um UFO, que aproximou-se e lançou o seu já conhecido facho de luz verde, levando Antônio até o interior da nave.

Mais uma vez Antônio foi levado até o compartimento que poderíamos chamar de laboratório. Só depois suas roupas foram substituídas pelo uniforme dos seres.

Comportando-se de forma estranha, os seres levaram o rapaz para uma visita a toda nave, mostrando em detalhes alguns dos instrumentos de comando, as salas e o funcionamento dos aparelhos.

Passando algum tempo, como sempre, Antônio foi mais uma vez deixado exatamente no mesmo loca onde havia sido raptado pelos seres.

O mais absurdo, no entanto, é que Antônio foi mais uma vez raptado no final de 1982, e estes contatos tem sempre a mesma caraterística, como se os seres tivessem algum tipo de preocupação com sua saúde e quisessem mostrar como vivem.

Assim, entre junho de 1979 e final de 1989, Antônio teve 16 contatos com extraterrestres, um recorde sem paralelos no mundo ufológico. Alguns ufólogos, no entanto, duvidam de que ele seja o pai de uma criança extraterrestre.



Read More

O Caso Sagrada Família: Extraterrestres Ciclopes no Brasil

Este caso ocorreu em 28 de agosto de 1963, no bairro Sagrada Família, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, o caso foi investigado pelo grupo brasileiro CICOANI.

Os três meninos, Fernando, Ronaldo e José Marcos foram ao seu quintal depois do jantar para limpar o filtro de café em um tanque de água (anteriormente era um barril de metal de gasolina), ao lado do tanque, José, o mais novo deles, sete anos velho na época, foi rapidamente para o tanque de água, baixou a cabeça e os braços dentro do barril para recolher a água com uma garrafa na mão.

Então, Ronaldo de repente percebeu um estranho brilho no quintal deles. Olhando para ver o que poderia estar causando essa clareza incomum, ele viu um OVNI esférico.

O OVNI era iluminado internamente e suas paredes transparentes. O OVNI estava estacionado e flutuava em cima de uma árvore de abacate. A distância, segundo os garotos, era de cerca de 8 metros. Seu tamanho foi estimado em cerca de 3 metros de diâmetro.

No topo do OVNI havia uma espécie de antena com dois ramos dobrados na forma de um V. Cada um tinha uma bola no topo de suas cabeças. No meio do OVNI, havia outra antena vertical menor.

Por sua transparência, os quatro seres eram visíveis, quatro seres que eram absolutamente como nós, exceto por um detalhe curioso, em vez de ter dois olhos, eles tinham um olho no meio da testa, como um ciclope.

Pelo menos um deles era uma mulher, porque, ao contrário dos outros três que não tinham cabelo, este tinha cabelos longos e loiros. Todos os seres estavam sentados. No banco da frente, havia um console que parecia ser o painel de controle do OVNI.

Poucos segundos depois, o OVNI disparou dois feixes de luz, formando duas colunas de luz. Entre estes dois feixes de luz um ser descendente do OVNI, flutuando lentamente. Começou a caminhar em direção ao tanque de água onde José ergueu a cabeça dentro do barril para obter água. Aparentemente, José não estava ciente do que estava acontecendo.

Quando o ser estava a uma distância de cerca de dois metros de José, ele estendeu o braço deixando claro que suas intenções eram pelo menos tocá-lo. Mas Fernando pensou que ele queria sequestrar ou machucar José.

Sem hesitação, Fernando correu e saltou em José, derrubando-o no chão e colocando José atrás dele, o estranho então se retirou instantaneamente e fez uma série de gestos com Fernando com as mãos acompanhadas de movimentos de cabeça.

O ser, em seguida, começou a falar várias palavras completamente ininteligíveis. Então, a criatura retornou até a uma borda em frente ao OVNI, que permaneceu pairando no chão.

Ao virar de costas, Fernando pegou um tijolo do chão e ergueu o braço para jogá-lo no ser, mas, imediatamente, um raio amarelo emitido por um pequeno retângulo que estava na área do peito de suas roupas e foi até a mão que estava segurando o tijolo.

O tijolo caiu no chão e, inexplicavelmente, os três meninos ficaram calados e totalmente calmos em vez de correr e gritar por ajuda.

O ser permaneceu na frente dos três meninos, falando em uma linguagem totalmente incompreensível. E foi nesse momento que os garotos puderam ver bem a criatura.

Tinha mais de dois metros de altura e um grande olho no meio da testa. Seu olho estava escuro, sem esclera e colocado na base do nariz. No olho, havia uma mancha que parecia sua sobrancelha. Seu rosto estava completamente vermelho. Foi possível ver alguns dentes quando a boca abriu a boca para falar.

Ele usava um capacete transparente onde seu rosto estava claramente visível. A roupa era marrom até a cintura, branca até os joelhos e as botas eram pretas. Sua roupa parecia ser feita de couro ou algo parecido e tinha várias rugas.

Os meninos disseram que o ser tinha algum tipo de caixa de uma cor semelhante ao cobre colocado nas costas.

Um pouco depois, ele acenou lentamente levantando a mão e apontando para a lua, como se indicasse que estava prestes a fazer uma viagem ao nosso satélite natural. Pouco depois do caminho para o OVNI.

Quando José viu que ele se afastou, ele perguntou: “Você vai voltar?” Surpreendentemente, o ser virou-se e gesticulou balançando a cabeça para cima e para baixo, como se estivesse respondendo ao que o menino havia perguntado. Então, imediatamente, voltou a girar e continuou caminhando em direção ao OVNI. Mas antes de chegar ao OVNI, o ser dobrou e pegou uma planta do chão com a mão esquerda.

Quando o ser finalmente alcançou o local exato em que desceu do OVNI, ele acenou sua mão e então as colunas de luzes amarelas apareceram de novo e ele começou a flutuar lentamente em direção ao OVNI. Uma vez dentro do OVNI, o ser se sentou com os outros.

Finalmente, o OVNI emitiu um brilho e voou silenciosamente para o leste, desaparecendo e depois desaparecendo.

Só depois que o OVNI desapareceu, os meninos entraram em sua casa gritando e chamando sua mãe. Maria José ficou assustada com a aparência de seus filhos aterrorizados e enviou sua filha a um bar próximo para obter o marido, Alcides Gualberto.

Ele veio imediatamente para ver o que aconteceu, Alcides Gualberto descobriu que havia pequenas marcas em forma de triângulo no chão do quintal, assim como seus filhos lhes diziam. As crianças ficaram muito assustadas e se recusaram a voltar ao quintal durante vários dias.



Read More

Voo 1628 da JAL: OVNI visto por piloto japonês

Um dos mais publicados relatos de encontros com UFOs ocorridos nos anos 80, aconteceu no dia 17 de novembro de 1986 sobre o Alasca. As testemunhas foram o piloto, o co-piloto e o engenheiro de vôo de uma Boeing 747 da Japan Airlines que ia de Paris para Tóquio.

Às 17:10hs, hora local, enquanto a aeronave estava a 35.000 pés da altitude e passava sobre o Alasca, o capitão Kenju Terauchi, um veterano, percebeu estranhas luzes na sua esquerda a 200 pés abaixo dele. Ele achou que fossem luzes de um avião militar, mas alguns minutos depois, quando a posição das luzes não havia mudado, sugerindo que as luzes acompanhavam o avião, Terauchi e sua tripulação começaram a prestar mais atenção à aquilo.

Enquanto Terauchi completava uma volta para a esquerda, as luzes repentinamente foram em direção da frente do avião e se aproximaram. Agora ele via dois pares de colunas retangulares de luzes de cor âmbar, com “flashs” pulsando na direção de um painel vertical escuro no centro de cada objeto. Depois de vários segundos, os flashs pararam e tornaram-se pequenos círculos de luzes.

Os dois UFOs, que estavam entre 500 e 100 pés de distância do 747, eram do mesmo tamanho de um DC-8. Depois de alguns minutos os objetos se colocaram lado a lado.

Às 17:19hs, Terauchi perguntou à torre de comando em Anchorage se eles estavam captando algo próximo ao seu avião. Não estavam. Eles continuaram tentando descobrir o que seria aquilo. A conversa no entanto não era nítida e mais tarde Terauchi disse que as transmissões foram muito prejudicadas por 10 a 15 minutos, principalmente quando as luzes se aproximavam da aeronave.

O controlador da Achorage notificou o Centro de Controle Regional Operacional da Base Aérea de Elmendorf (ROCC) e perguntou se o radar deles captava alguma coisa.

Neste meio tempo as luzes se moveram para a esquerda. Terauchi viu um objeto, aparentemente um terceiro UFO, a cerca de 7 ou 8 milhas de distância. Os outros dois, luzes menores voavam em direção deste. Ele pôde calcular a distância do objeto pelo radar. Embora pouco visível a olho nú, o radar indicava que o objeto era enorme. Ele se manteu na tela por vários minutos.

No solo o controlador de radar do ROCC relatou à Anchorage que ele estava pegando um sinal de “surge primary return”, isto é, um sinal de radar sem estar acompanhado pelo emissor do sinal. Quando o controlador de Anchorage especulou que ele pudesse estar cometendo algum engano, Anchourage disse que não. Eles queriam saber se a base aérea tinha certeza de que não havia nenhuma aeronave militar na região. O ROCC assegurou que não.

Agora o ROCC estava rastreando um “primary return” numa localização próxima a informada pelo piloto. Mas as 17:25hs, o sinal desapareceu. No céu a tripulação do Boeing estava vendo as luzes à sua esquerda e abaixo deles, próximo ao horizonte.

Os objeto se afastaram para a esquerda e o radar não podia mais captá-los. O céu começava a escurecer e no lado esquerdo da cabine já se podiam ver estrelas e planetas, e os objetos não podiam mais ser dintinguidos desses astros.

Enquanto a aeronave se aproximava da Base Aérea de Eilson, eles viram atrás deles uma pálida luz branca, a mesma que eles tinham visto anteriormente. Dessa vez eles viram como disse o capitão Terauchi: “a silhueta de uma aeronave gigante”, aparentemente visível devido à luzes que ela refletia do solo. Ela tinha a forma do planeta Júpiter. Terauchi se referiria à ela como sendo uma nave-mãe, cogitando a idéia de que as duas naves menores vistas anteriormente tivessem saído e entrado nela. O seu tamanho foi estimado em 2 vezes maior do que os Boeings.

O capitão contactou Anchorage e pediu permissão para fazer uma manobra evasiva. A permissão foi dada rapidamente, mas o enorme UFO se manteve atrás do avião mesmo eles subindo e descendo. Às 17:39 hs ele desapareceu, mas não antes do ROCC rastrear um enorme alvo nas proximidades do avião. Às 17:40hs Anchorage perguntou à Terauchi se ele queria que um caça fosse enviado para investigar, mas ele disse que não. ( Mais tarde ele disse que não autorizou o envio do avião temendo que algo acontecesse ao piloto.)

O ROCC tinha acabado de rastrear novamente a alvo e a tripulação da JAL estava vendo a nave-mãe atrás deles novamente. Com o combustível do 747 acabando, Terauchi sabia que teria que aterrizar em Anchorage não importa o que acontecesse.

Às 17:40hs um avião de passageiros da United Airlines tinha decolado de Anchorage com destino à Fairbanks. Logo ele estava a 29.000 pés de altitude e assim foi até a altitude do Boeing da JAL, que tinha um objeto estranho no seu radar.

Eles então perguntaram ao piloto da UA se ele estava vendo alguma coisa atrás do avião deles, mas na hora que o piloto da UA olhou a nave-mãe tinha desaparecido.

A Administração de Aviação Federal (FAA) abriu uma investigação. O oficial da FAA, Jack Wright entrevistou os membros da tripulação da JAL assim que eles aterrissaram. Outra entrevsita foi conduzida naquela mesma noite por dois agentes da FAA. Uma outra investigação da FAA foi realizada em janeiro do ano seguinte.

No dia 5 de março a FAA anunciou que eles nã podiam confirmar o evento porque um segundo alvo no radar próximo ao avião da JAL não era um outro avião, mas o retorno do sinal do radar do próprio aparelho.

O caso foi ainda investigado por Bruce Maccabee, mas ainda hoje as autoridades oficiais não declraram as suas conclusões.



Read More

Getting Married? Pay a Fine!

Medieval England liked its “fines” which sound pretty similar to dues or taxes today. There were quite a few around marriage:

  • Merchet – a fine paid for a licence to marry
  • Legerwite which literally translates as a “laying down fine” was the fine levied on a woman who had had pre-marital sex (there was no corresponding male fine)
  • Chidewite – the fee for having an illegitimate child.
Read More

Hubble's Megamaser Galaxy


MCG+01-38-005 (below) is a special kind of megamaser; the galaxy’s active galactic nucleus pumps out huge amounts of energy, stimulating clouds of surrounding water.

from NASA http://ift.tt/2epVgS0
via IFTTT
Read More

Noticed #RuinABookTitleInOneLetter was trending on twitter!Visit...



Noticed #RuinABookTitleInOneLetter was trending on twitter!

Visit –> http://ift.tt/1C5VtOf to learn all about the life and work of Carl Jung.

Read More