14 novembro 2014

Welcome to a Comet



The Rosetta Mission lander is safely on a comet. One of Philae's feet appears at the bottom left of this spectacular image of the surface of C67/P Churyumov-Gerasimenko. Still a happy lander, Philae bounced twice before settling and returning images from the surface, traveling a kilometer or so after initially touching at the targeted site Agilkia. A surface panorama suggests that the lander has come to rest tilted and near a shadowing wall, with its solar panels getting less illumination that hoped. Philae's science instruments are working as planned and data is being relayed during communications windows, when the Rosetta spacecraft is above the lander's new horizon.



from NASA http://ift.tt/1BlG3cf

via IFTTT
Read More

fatabulousme: postracialcomments: HERES THE VIDEO, PLEASE...

















fatabulousme:



postracialcomments:



HERES THE VIDEO, PLEASE WATCH



The leader of a Ku Klux Klan group told MSNBC host Chris Hayes on Wednesday that St. Louis-area residents have supported their campaign threatening to use “lethal force” against protesters they feel act violently in the aftermath of the upcoming grand jury decision regarding Ferguson police officer Darren Wilson.


“It kind of came about from hundreds of calls we’ve been getting from residents in St. Louis County concerned with things that they’ve seen on social media,” Traditionalist American Knights of the KKK head Frank Ancona explained. “Random attacks on whites, D.C. sniper-style shootings, police officers being threatened that their wives are gonna be raped, and that they’re all targets.”


Ancona did not cite specific evidence of any of these alleged threats.


The Riverfront Times reported that Ancona’s group has been passing out flyers calling demonstrators “terrorists” and saying, “We will use lethal force as provided under Missouri law to defend ourselves.”


But Ancona stumbled after telling Hayes that he has had off-the-record conversations with police regarding the ongoing tension in the region.


“A lot of them are very frustrated with how the governor has sided with the criminals in a lot of instances,” Ancona said.


“Wait a second,” Hayes said, interjecting. “You have law enforcement talking to you off the record, confiding in you as a Grand Wizard of the KKK? You’re telling me that you have local law enforcement talking to you, personally, off the record?”


“I’m telling you, I have friends who know people in law enforcement,” Ancona replied, backtracking. “Let’s just put it that way.”


Source




What he’s really saying is some of his fellow klansmen are cops



Read More

Peter Norris Dupas- O assassino hipócrita




Peter Norris Dupas nasceu em 6 de julho de 1953 em Sidney, Austrália. Peter era o mais novo de três irmãos de uma família modesta e amorosa. Mudaram-se para Melbourne quando Peter ainda era um bebé. Como os seus pais tinham uma idade avançada e os seus irmãos eram mais velhos que ele, Peter era tratado como se fosse filho único.



Enquanto andava na escola, Peter era alcunhado de "Pugsley" já que por causa do seu excesso de peso, assemelhava-se ao filho da "Família Addams". Além disso, tratavam-no como "o totó da turma" e, entre outras coisas. Gozavam com ele pela sua lentidão em aprender. Naturalmente, todas estas coisas foram alicerçando a sua condição ressentida e pouco sociável.



Em 3 de outubro de 1968, Peter de 15 anos frequentava o Waverly High School no leste de Mount Waverly, Melbourne. O adolescente, com o seu uniforme escolar, visitou uma vizinha de 27 anos para lhe pedir uma faca porque iria precisar dela para cortar verduras. No entanto, algo passou pela sua cabeça e ele apunhalou-a no estômago e posteriormente na mão, rosto e pescoço enquanto ela tentava defender-se. Segundo o relato da mulher atacada, enquanto a apunhalava ele dizia:



"É tarde demais, já não posso parar, eles prender-me-ão!"



Quando foi preso, disse à polícia que não sabia porque é que a tinha atacado, nem se lembrava nada após ter a faca na mão. Após o ataque, foi sentenciado a 18 meses de liberdade condicional e esteve em avaliação no hospital psiquiátrico Larundel. Duas semanas depois ele recebeu alta e um tratamento como um paciente externo.



Em outubro de 1969, houve um ataque no necrotério do hospital de Austin, onde os cadáveres de duas idosas foram mutilados. Pela natureza das feridas, a polícia suspeitou que fora obra de Dupas, principalmente quando depois compararam as marcas com as do cadáver de outra de suas vítimas: Nicole Patterson.



Cumpriu pena por estupros em repetidas ocasiões, mas assim que saía da prisão, voltava a agredir pessoas. A 5 de novembro de 1973, Peter abusou de uma mulher casada, a vítima aproximou-se dele quando lhe pediu ajuda para consertar o seu carro. Enquanto a mulher procurava uma chave de fendas, Dupas escondeu-se na casa e ameaçou a mulher e o seu bebé de 18 meses. Depois amarrou a mulher com uma corda e bateu-lhe na cabeça quando ela tentou resistir e depois estuprou-a na sua própria cama.



Nas semanas seguintes, Peter tentou esta tática várias vezes, mas só conseguiu roubar dinheiro. Inclusive nesses dias o sargento Ian Armstrong, o detetive que seguiu o caso de Peter, interrogou-o a 30 de novembro de 1973 no posto de polícia de Nunawading. Depois do seu encontro, disse que Dupas era fraco e complacente, mas também acrescentou que era um homem malvado e impiedoso com a cara de um bebé.

O juíz John Leckie sentenciou a Dupas a 9 anos depois de estuprar a mulher casada na sua casa e ameaçar a sua criança. Os programas de reabilitação da prisão não tinham efeito em Peter e enquanto esteve preso, o reconhecido doutor Allen Bartholomew examinou Dupas e concluiu que ele tinha um grave problema psicossexual; um problema que ele negava, que o transformava num estuprador muito perigoso.






Após cinco anos, foi libertado, a 4 de setembro de 1979 e apenas duas semanas depois, atacou a quatro mulheres, às quais deixou mentalmente marcadas pelo resto de suas vidas. Nesta ocasião, Peter estava equipado com uma faca e uma balaclava, dois objetos que se converteram na sua marca de estuprador e assassino. O evento aconteceu numa casa-de-banho pública de Frankston, onde Peter estuprou a sua vítima e torturou psicologicamente as restantes. A mulher mais velha do grupo mostrou resistência, enquanto que as outras escaparam; Dupas apunhalou-a e fugiu.



Mais tarde, a polícia prendeu Peter e ele confessou tudo o que tinha feito. Durante uma entrevista, o estuprador afirmou que não sabia o que estava a acontecer com ele e que não podia ser detido, também disse que tinha este problema desde há mais de seis anos. Em 28 de fevereiro de 1980, o juiz Leio Lazarus sentenciou a Dupas a 6 anos e meio de detenção. Os promotores não estiveram a gosto com a sentença que consideraram muito benevolente já que era o segundo encarceramento de Peter.



A 27 de fevereiro de 1985, Peter foi libertado e um mês depois estuprou uma mulher de 21 anos na praia de Blairgowrie. Dupas seguiu a mulher até ao seu veículo e sodomizou-a. Na sua confissão, ele disse que achava que estava curado e que só queria viver uma vida normal. Posteriormente recebeu uma sentença de 12 anos por este crime.



Enquanto esteva preso em Castlemaine, Peter casou-se em 1987 com Grace McConnell, uma enfermeira que era 16 anos mais velha que ele. Depois de 7 anos de terapias foi libertado a 3 de março de 1992. No entanto, as suas tendências criminosas voltaram a metê-lo em problemas e depois de cumprir uma curta condenação, saiu em 1996. Enquanto a isso, a sua esposa deixou-o e ele conseguiu um emprego numa fábrica.



A 13 de fevereiro de 1985, foi encontrado o corpo de Helen McMahon de 47 anos na praia de Rye. Apesar de Dupas estar preso nesse momento, os polícias descobriram que Peter havia saído da prisão com uma permissão e que nessa altura vivia na área de Rye, quando McMahon foi assassinada. A mulher bronzeava-se semi-nua na praia; no entanto, o seu cadáver foi encontrado despido, próximo do local onde Peter estuprou uma mulher de 21 anos. Até o dia de hoje, a polícia acha que McMahon foi a primeira vítima de Dupas, mas o caso não foi resolvido.






A 4 de outubro de 1997, Margaret Maher, uma prostituta de 40 anos, foi sequestrada e assassinada por Dupas. O seu cadáver foi encontrado por um homem que recolhia latas de alumínio, perto da estrada de Cliffords. O corpo de Margaret estava coberto por uma caixa de papelão. A autópsia revelou que Maher tinha sido apunhalada no pulso; o pescoço da mulher foi atingido com um objeto pesado, tal como a sua sobrancelha direita. Também tinha cortes no seu braço direito. O seio esquerdo de Maher foi amputado com uma faca e colocado na sua boca. Após quatro semanas, Dupas atacou novamente.



Em 01 novembro de 1997, Mersina Halvagis de 25 anos visitou o túmulo da sua avó no cemitério Fawkner no norte de Melbourne, mas quando se ajoelhou para arranjar um bouquet de flores, ela foi atacada. Posteriormente, a sua ausência numa reunião alertou o seu noivo e rapidamente foi iniciada a busca; no entanto, seu corpo não foi descoberto até ao dia 5 de novembro de 1997. O noivo de Halvagis encontrou-a em um túmulo com flores ao redor.



A autópsia realizada no cadáver revelou que ela estava de joelhos quando foi atacada. Dupas subiu a roupa dela até à sua cabeça e apunhalou-a 87 vezes nos seus joelhos e pescoço, mas a maioria das feridas focavam nos seus seios. Como a casa de Peter era próxima ao cemitério e os depoimentos de duas testemunhas que disseram tê-lo visto no cemitério no dia que Mersina foi assassinada, as autoridades prenderam Peter. Anos depois, o assassino confessou ter matado Halvagis, enquanto os polícias o interrogavam na prisão de Port Phillip em 2002.



A psicoterapeuta e conselheira de jovens, Nicole Amanda Patterson de 28 anos, era uma pessoa que ajudava jovens drogados no seu tempo livre. Patterson tinha o seu próprio consultório na sua casa de Northcote. Foi lá, no seu consultório, onde Peter a assassinou brutalmente e depois disso, limpou todas as pistas possíveis e deixou o rádio ligado em volume alto e a televisão ligada. seria o crime perfeito se Peter não se tivesse esquecido de levar o diário de consultas de Nicole.



Assim que na manhã do dia 19 de abril de 1999, um vizinho amigo de Nicole foi buscá-la para uma reunião e deparou-se com o cadáver da psicoterapeuta, no qual, apresentava sinais de ter sido apunhalada 27 vezes (tinha feridas em suas mãos e braços) e de ter sido amarrada com uma fita amarela. Mas o pior de tudo foi que os dois seios de Nicole foram mutilados e não estavam na cena do crime. Estas mutilações lembraram os polícias de outra vítima: Margaret Maher. Agora, quando a polícia procurou os bens de Nicole, encontrou o seu diário de consultas, graças ao qual puderam encontrar Peter através de um processo de rastreio a partir de um número de telemóvel.



Devido aos antecedentes de Dupas na corte de Melbourne, o seu julgamento foi levado a cabo em 26 de setembro do 2006 na Suprema Corte de Vitória, onde foi acusado pelo homicídio de Mersina Halvagis. Em 9 de agosto de 2007, Dupas foi declarado culpado do homicídio de Halvagis, oito dias depois foi condenado a prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional.



Durante o julgamento, saíram à luz os homicídios de Renita Brunton, de 31 anos, encontrada em Sunburry, Vitória, em 1993. Também era suspeito de ter assassinado a Kathleen Downes de 95 anos, que foi apunhalada em 31 de dezembro de 1997 no asilo Brunswick Lodge, o qual aconteceu um mês após o homicídio de Halvagis. As investigações policiais descobriram que Dupas havia chamado por telefone ao asilo pouco tempo antes do assassinato.



Desde o ano de 2006, que Peter Dupas cumpre sua sentença na prisão de segurança máxima de Port Phillip em Laverton. Os guardas da prisão descrevem a Dupas como um prisioneiro modelo; no entanto, o monstro sexual que habita dentro dele, jamais será libertado novamente.






Adaptado de: curionautas



via @notiun


Related post







// "; var maxNumberOfPostsPerLabel = 10; var maxNumberOfLabels = 10; function listEntries10(json) { var ul = document.createElement('ul'); var maxPosts = (json.feed.entry.length textLabel = ""; var test = 0; for (var i = 0; i //]]>


Read More

Photo




Read More

Environmentally Friendly Ways To Use All Those Leaves

Read More

Exploring the World's Protected Areas from Space



A new book released this week highlights how the view from space with Earth-orbiting sensors is being used to protect some of the world’s most interesting, changing, and threatened places. From space, Egmont National Park in New Zealand shows the benefits and limitations of protected areas. In this Landsat 8 image acquired on July 3, 2014, the park, with Mt. Taranaki at its center, was established in 1900. This isolated island of protected forest (dark green areas) is surrounded by once-forested pasturelands (light and brown green). “Sanctuary: Exploring the World’s Protected Areas from Space,” published by the Institute for Global Environmental Strategies (Arlington, Virginia) with support from NASA, debuted at the 2014 World Parks Congress in Sydney, Australia. In the book’s foreword, NASA Administrator Charles Bolden writes, “NASA and numerous other space agency partners from around the globe have used this view from space to make incredible scientific advances in our understanding of how our planet works. As a result, we can now better gauge the impact of human activity on our environment and measure how and why our atmosphere, oceans, and land are changing. As a former astronaut who has looked upon our beautiful planet from space, I hope that we can advance the use of space-based remote sensing and other geospatial tools to study, understand, and improve the management of the world’s parks and protected areas as well as the precious biodiversity that thrives within their borders.” Image Credit: NASA/USGS



from NASA http://ift.tt/1zUMql6

via IFTTT
Read More

Humans Can Hibernate?

Until the late 1800s, many Russian peasants in the Pskov region ‘hibernated’ for much of the winter, waking only once a day for some dry bread. So, almost hibernating?


Read More

November 14th 1982: Wałęsa releasedOn this day in 1982, Polish...



Lech Wałęsa (b.1943)





Lech Wałęsa on the cover of TIME Magazine



November 14th 1982: Wałęsa released



On this day in 1982, Polish labour activist and future Polish President Lech Wałęsa was released after eleven months of internment near the Soviet border. Born in Popowo in 1943 to a poor family, Wałęsa received only rudimentary education before he entered the working world. In the late 1970s, Wałęsa became an anti-government union activist, after having been witness to violent suppression of dissent by Poland’s communist government. He quickly rose to prominence as a labour leader who pushed for trade union rights, becoming chairman of the Solidarity movement which was a national federation of unions. In 1981, after increased pressures on the government by Solidarity, the Polish government imposed martial law, outlawed the movement and arrested its leaders. Wałęsa was one of the leaders who was detained after the government crackdown, and was released after about a year. After his release, in 1983, Wałęsa was awarded the Nobel Peace Prize. He and the Solidarity movement continued their labour advocacy despite harassment by the government. Economic problems and labour unrest in 1988 forced the Polish government to negotiate with Solidarity, which resulted in free elections which Solidarity winning a majority. The Soviet Union, under Mikhail Gorbachev, would no longer use military force to keep communist governments in satellite states, and they thus allowed the Solidarity movement to take power. The movement’s leadership of Poland was solidified in 1990 when Wałęsa won Poland’s first direct presidential election by a landslide. Despite successfully negotiating Poland’s transition to a free market, Wałęsa’s popularity waned and he was defeated in 1995.


Read More

(From Sanitation Drive 2015)

Read More

ON THIS DAY IN THE HISTORY OF PSYCHOLOGY (14th November...





ON THIS DAY IN THE HISTORY OF PSYCHOLOGY (14th November 1910)


Robert L. Ebel was born.


Studying Psychology? GO HERE —> http://ift.tt/1eWNk1f for free psychology information & resources.


Read More