31 outubro 2008

Síndrome de Aase


A síndrome de Aase ou síndrome de Aase-Smith é uma doença genética rara caracterizada por provocar anemia e deformidades esqueléticas.


Pensa-se que seja autossómica dominante. A base genética desta doença ainda é desconhecida.


A anemia é causada por um subdesenvolvimento da medula óssea. O nome da doença advém dos pediatras dos Estados Unidos da América, Jon Morton Aase e David Weyhe Smith.


Read More

30 outubro 2008

Curiosidades matemáticas


1 x 8 + 1 = 9
12 x 8 + 2 = 98
123 x 8 + 3 =987
1234 x 8 + 4 =9876
12345 x 8 +5 = 98765
123456 x 8 +6 =987654
1234567 x 8 +7 =9876543
12345678 x 8 +8= 98765432
123456789 x 8 +9 = 987654321


1 x 9 + 2 = 11
12 x 9 + 3= 111
123 x 9 + 4 = 1111
1234 x 9 +5 = 11111
12345 x 9 +6 = 111111
123456 x 9 +7 = 1111111
1234567 x 9 + 8 = 11111111
12345678 x 9 + 9= 111111111
123456789 x 9 +10 = 1111111111



9 x 9 + 7 = 88
98 x 9 + 6 = 888
987 x 9 +5 = 8888
9876 x 9 +4 = 88888
98765 x 9 +3 = 888888
987654 x 9 +2 = 8888888
9876543 x 9 +1 = 88888888
98765432 x 9 +0 = 888888888


1 x 1 = 1
11 x 11 = 121
111 x 111 = 12321
1111 x 1111 = 1234321
11111 x 11111 = 123454321
111111 x 111111 = 12345654321
1111111 x 1111111 = 1234567654321
11111111 x 11111111 = 123456787654321
1111111111 x 1111111111 = 12345678987654321


Read More

28 outubro 2008

Shantala


A técnica de massagem da Shantala é milenar e veio da Índia para o Ocidente na década de 1960 trazida pelo obstetra Frédérick Leboyer, criador do famoso método "Nascer Sorrindo", que reduz o risco de sofrimento do bebê na hora do parto.

Na Shantala, a mãe massageia seu bebê, fazendo carícias com pressões bem leves. Os princípios básicos são: concentração, firmeza, constância, lentidão e ritmo. O toque precisa ser consistente para atingir as camadas mais profundas da pele.
Claro que não é para pegar pesado com os pequeninos. A reação deles é que deve guiar suas mãos.

Se o bebê não estiver gostando, a mãe deve mudar o estímulo. Em geral, a criança aceita o toque, mas algumas ficam agitadas e choram. Se após algumas tentativas ela não se tranqüilizar, é melhor tentar em um outro dia.

A massagem é permitida depois que o umbigo do bebê cai, mas geralmente as mães só se sentem seguras para manipular o filho perto do segundo mês de vida; não se deve esperar demais, pois os maiores de sete meses se mexem muito e isso atrapalha. No entanto, se a criança for acostumada ao toque desde cedo, poderá aproveitar a massagem por vários anos.

O médico Frédéric Leboyer fez um estudo a respeito da Shantala e constatou vários benefícios que ela traz ao nenê. As crianças crescem mais e começam a sentir o próprio corpo em toda a sua extensão. Os músculos são relaxados e requisitados de uma maneira mais efetiva. São mais sadias e calmas, alimentam-se bem, seu sistema imunológico funciona perfeitamente e, desde pequenas, sabem se relacionar com as pessoas.
Psicologicamente há uma grande aproximação entre mãe e filho.

Para a mãe que trabalha fora de casa, os momentos da massagem ajudam a estabelecer um momento absoluto dela e do bebê, as mães referem que compreendem bem os menores gestos da criança e parece até que o entendimento ocorre só pelo olhar.
Atualmente, um grupo da Universidade Federal de São Paulo busca comprovar que a massagem reduz o estresse dos pequerruchos. No mínimo, o sono melhora, como mostrou o estudo feito no ano de 2004 com nove crianças.

"Mais relaxadas, elas dormem profundamente".
Um artigo inglês publicado neste ano no periódico científico Paediatric Nursing confirma que os toques sistemáticos são relaxantes, aliviam cólicas e ajudam no desenvolvimento motor e psicológico da criança. Mas há outro benefício ainda mais surpreendente: fortalecem o sistema auto-imune.

Um toque bem feito reduz a quantidade de um hormônio chamado cortisol. Segundo a cientista americana Tiffany Field, do Instituto de Pesquisa sobre Toque, em Miami, a redução do cortisol permite que as células de defesa sobrevivam, em especial as células natural killers, capazes de combater vírus e até câncer.

Há até mesmo estudos com prematuros mostrando que a massagem estimula o ganho de peso, além de diminuir o tempo de hospitalização; e nem precisa ser uma técnica específica, qualquer pressão moderada com as mãos faz bem.

Os toques de shiatsu, espécie de acupuntura com as mãos, dos quais já falamos em artigos anteriores, também podem ser feitos em bebês. Os movimentos são bem mais suaves que os aplicados em adultos.

Os próprios pais podem fazer shiatsu na criança, desde que aprendam a técnica com um especialista experiente. Esse tipo de massagem estimula diversos pontos do corpo, sobretudo a cabeça, a coluna e o abdômen. Uma dica para deixar seu bebê mais tranqüilo é pressionar levemente a sola dos pés com a ponta dos dedos.

Vale a pena reservar uma horinha para estreitar o vínculo com o seu filho, pois massageando o corpo todo dele você estabelece um momento para aprimorar o afeto em família.

Lílian Beatriz Salles é fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, terapeuta da mão, hidroterapeuta, gerontóloga e atende na Clifito.


Read More

27 outubro 2008

Conselhos de pai para filho


Jackson Brown, um pai preocupado com a felicidade e o bem estar de seu filho, escreveu estes "Simples Conselhos" quando ele saiu de casa para ir para a Universidade. Pouco tempo depois, ampliado sob o título "Viver Feliz", converteu-se num grande "best seller" que já vendeu dezenas de milhares edições e foi traduzido a vários idiomas no mundo todo.



  • Ainda que tenha uma posição folgada, faz com que teus filhos paguem parte de seus estudos.

  • Aprende a compartilhar com os demais e descobre a alegria de ser útil a teu próximo.

  • Aprende a distinguir entre teus amigos e teus inimigos.

  • Aprende a olhar as pessoas desde suas sandálias e não desde as tuas. Localize tuas pretensões no marco das possibilidades.

  • Confia em Deus, mas fecha teu carro com a chave.

  • Desconfie dos fanfarrões, ninguém alardeia do que lhe sobra.

  • Dirija um carro que não seja muito caro, mas tenha o gosto de ter uma boa casa.

  • Dá-lhe uma mão a seu filho a cada vez que tenha oportunidade. Chegará o momento em que já não te deixará fazê-lo.

  • Escolha um sócio da mesma maneira que escolheria um colega de tênis: busca que seja forte onde tu és débil e vice-versa.

  • Escute o dobro do que falas (por isso Deus nos deu dois ouvidos e uma so boca).

  • Estenda a mão com firmeza e olha à pessoa bem em seus olhos.

  • Evite às pessoas negativas: sempre têm um problema para a cada solução.

  • Faça duas cópias das fotos que tirar, e envie para as pessoas que aparecem nelas.

  • Faça o que seja correto, sem importar o que outros pensem.

  • Mostra respeito extra pelas pessoas que fazem o trabalho mais pesado.

  • Nunca ameace se não está disposto a cumprir.

  • Nunca compre algo elétrico numa feira artesanal.

  • Nunca compre um colchão barato: passamos um terço de nossa vida em cima dele..

  • Nunca confunda riqueza com sucesso.

  • Nunca existe uma segunda oportunidade para causar uma boa impressão.

  • Nunca faça comentários sobre o peso de uma pessoa, ou diga a alguém que ela está perdendo o cabelo.

  • Nunca inveje: a inveja é a homenagem que a mediocridade rende ao talento.

  • Não confunda conforto com felicidade.

  • Não descarte uma boa idéia só por que porque não gosta de quem a teve.

  • Não espere que o outro saiba o que quer se não dizer.

  • Não há nada mais difícil que responder às perguntas dos néscios.

  • Não perca nunca o sentido do humor, e aprende a rir de seus próprios defeitos.

  • O que não vive para servir, não serve para viver.

  • Observa o amanhecer pelo menos uma vez ao ano.

  • Quando precisar de um conselho profissional, pede a um profissional e não a amigos.

  • Recorde os aniversários daa pessoas que te importam.

  • Recorde que a felicidade não é uma meta senão um caminho: desfrute enquanto percorre-o.

  • Recorde que o grande Amor e o grande Desafio incluem também 'o grande Risco'.

  • Recorde que às vezes, o silêncio é a melhor resposta.

  • Recorde que é possível conseguir mais das pessoas por meio do estímulo que da censura: diga ao débil que é forte e o verá fazendo força.

  • Recorde sempre : 'sem dívidas, sem problemas'.

  • Se não conhece alguém que lhe pareça legal, apresente-se simplesmente com um sorriso e dizendo: 'Oi, tudo bem? Meu nome é tal, ainda não nos apresentaram'.

  • Se não quer se sentir frustrado, não fixe metas impossíveis.

  • Tenha um bom aparelho de música.

  • Trate seus empregados com o mesmo respeito que trata seus clientes.

  • Vá a teus compromissos com tempo. A pontualidade é o respeito pelo tempo alheio.


Conselhos de pai para filho - Metamorfose Digital


Read More

24 outubro 2008

Reiki - Energia Vital


HA195_350A.jpg Rei significa universal e refere-se a essência energética cósmica e permeia todas as coisas.

Ki significa energia vital que circunda todos os organismos vivos.

Portanto Reiki é a energia vital universal utilizada para a Cura Natural de tudo que tem vida.

Nosso método utilizado é através da colocação das mãos nas regiões das sete glândulas do corpo humano, que são os centros energéticos por onde tudo é captado. A energia vital universal é trazida para essas regiões revitalizando todos os setores do corpo humano que são coordenados por essas regiões, conseqüentemente trataremos das doenças respectivas.

Além disso, por se tratar da energia de vida do universo, a Cura se processa no espiritual, emocional, no passado e no futuro de cada um. Com o Reiki, podemos limpar traumas, medos, frustrações, raivas, rancores do passado, bem como, preparar cada momento do futuro. Podemos também, tratar de pessoas a distância desde que elas autorizem.

As glândulas são as Supra-renais, as pancreáticas, timo(cardíaco), as gônadas(sexuais), tireóide, pituitária e Pineal.

Quando elas estão bloqueadas ou em desequilíbrio provocam disfunções e problemas físicos, a saber respectivamente:

- Supra-renais: raiva, impaciência, apego, materialismo, culpa, vícios, vergonha, violência, morte e dor, insuficiência renal, coluna vertebral, ossos, dentes, intestino grosso, ânus, reto, próstata, anemia, excesso de peso, pressão baixa, fadiga, pouca tonicidade muscular, problemas de circulação, desequilíbrio na temperatura do corpo, leucemia e tensão nervosa.

- Gônadas (Glândulas sexuais): controle, sujeição ou insatisfação sexual, promiscuidade, rejeição, solidão, ressentimentos, vingança, ciúme, inveja, depressão, sistema reprodutor, bexiga, quadris, pernas, pés, nervo ciático, espasmos musculares, cãibras, cólicas, desordens menstruais e desequilíbrios hormonais.

- Pancreáticas: ansiedade, preocupação, indecisão, preconceito, desconfiança, negligência, mentira, baço, estomago, fígado, vesícula, intestino delgado, parte inferior das costas, sistema nervoso vegetativo, sentimento de inferioridade, falta de lógica e razão, insegurança e insônia.

- Timo: desilusão, transição, pânico, depressão, coração, arritmia cardíaca, sistema circulatório, brônquios e aparelho respiratório, parte superior das costas, nervo vago, pele, rubor, pressão alta, colesterol alto, palpitações, acidose, síndrome de pânico e incapacidade de amar.

- Tireóide: Fracasso, apatia, desespero, limitação, medo, insegurança, auto reprovação, submissão, garganta, amídalas, laringe, cordas vocais, esôfago, suscetibilidades de infecções virais e bacterianas, resfriados, amidalites, faringites, dores musculares e de cabeça (nuca), problemas dentários, endurecimento dos maxilares (buxismo), herpes e medo de fracasso na vida social.

- Pituitária: Ganância, arrogância, tirania, rigidez, alienação, sistema nervoso central, olhos (cegueira, catarata, glaucoma), ouvido (surdez), nariz (renite), falta de raciocínio lógico, vícios de drogas, álcool e outras compulsões.

- Pineal: Neuroses, irracionalidade, desorientação, fobias, histeria, obsessão, cérebro, insônia, enxaqueca, disfunções sensoriais, neuroses, histeria, obsessão e materialismo.

O Reiki trará para as glândulas a energia de vida universal para que elas possam ter suas funções corretas e saudáveis, a saber:

- Supra-renais: sobrevivência e existência terrena, ligação com o mundo material e energia física.

- Gônadas (glândulas sexuais): reprodução e sexualidade.

- Pancreáticas: personalidade, vitalidade, ação e vontade, paz e harmonia, auto-estima, proteção contra vibrações negativas.

- Timo: amor incondicional, união, sistema imunológico.

- Tireóide: comunicação, criatividade, iniciativas, independência.

- Pituitária: intuição, percepção, raciocínio lógico.

- Pineal: ligação com energias superiores, plenitude de ser.

Portanto o Reiki reequilibra seu organismo, sua saúde e traz uma grande paz interior.

Fazendo de você uma pessoa feliz com Deus no coração!

Por Cristina Leão


Read More

22 outubro 2008

Mitos e falácias sobre a sexualidade feminina:




  • Existem dois tipos de orgasmos diferentes na mulher, um vaginal e outro clitoridiano;

  • A vida sexual da mulher termina com a menopausa;

  • A satisfação sexual da mulher depende do tamanho do pênis;

  • Não é bem visto que a mulher tome a iniciativa na relação sexual;

  • Qualquer mulher que tenha a iniciativa nas relações sexuais é uma imoral;

  • A ausência do himen prova que uma mulher não é virgem;

  • A mulher chega ao orgasmo ao sentir a penetração do pênis;

  • A extirpação do útero e dos ovários faz com que a mulher deixe de sentir o orgasmo;

  • Todas as mulheres chega ao orgasmo, mas algumas não o sentem;

  • Um pênis pequeno não pode proporcionar prazer à mulher;

  • A mulher que carrega preservativos na bolsa é uma "galinha";

  • A mulher deve esperar a que o homem lhe proporcione o orgasmo;

  • Há vaginas muito largas para alguns pênis;

  • A primeira vez sempre causa dor e se sangramento;

  • Por natureza as mulheres têm menos desejo que os homens;

  • "Sou frígida porque não sinto nada";

  • Não há mulher frígida senão homem sem exeperiência;

  • Uma mulher adulta e madura deve ter sempre um orgasmo durante a penetração;

  • A mulher demora mais em atingir o orgasmo que o homem;

  • Para que a mulher fique grávida é necessário que homem e mulher atinjam o orgasmo ao mesmo tempo.


Read More

PRINCIPAIS ÓLEOS ESSENCIAIS


Alecrim: É estimulante da mente e memória, é um tônico contra a estafa, o mau humor, a apatia e a ansiedade. Alivia dores de cabeça, age contra acnes, rugas e queda capilar e também equilibra os cabelos oleosos. Tem ação rejuvenescedora.


Alfazema (lavanda): Ajuda a tranqüilizar o sistema nervoso, agindo sobre a emoção, aliviando dores de cabeça e diminuindo a insônia. Excelente também para trazer tranqüilidade ao relacionamento, para problemas digestivos e como anti-séptico e cicatrizante, podendo ser utilizado em queimaduras, feridas, picadas, dermatites e qualquer tipo de inflamação na pele. É um dos óleos mais usados em aromaterapia, especialmente em banhos e massagens relaxantes.


Almíscar: Determinação, segurança e autoconfiança são os principais predicados deste aroma, que também é um ótimo estimulante. É eficaz como afrodisíaco, atraindo o sexo oposto.


Anis: Com perfume fresco e adocicado, é indicado nos casos de cãibras, problemas digestivos e tosses espasmódicas. É relativamente tóxico e, por isso, deve ser usado em pequenas quantidades, durante períodos curtos e sempre com orientação de um profissional.


Arruda: Contra o mau-olhado e as energias negativas, indicado para pessoas que se sentem derrotadas no físico e na mente.


Bergamota: Dotado de um agradável perfume de frutas, este óleo essencial é um ingrediente clássico das águas-de-colônia. Usado em banhos e massagens, é revigorante e refrescante.


Cajepute: Tem cheiro forte de cânfora e é usado basicamente em inalações de vapor, contra afecções respiratórias como gripe, tosse, sinusite e dor de garganta.


Calêndula (tagetes): Destilado de um tipo de calêndula que cresce apenas no norte da Índia e sul da África. O óleo tem um cheiro suave de ervas e uma coloração viva, servindo para tratar problemas nos pés, como calos, peles grossas e verrugas.


Camomila: Existem dois tipos de óleo de camomila: azul e romana. A camomila azul, a "verdadeira", é destilada da erva medicinal Matricaria chamomilla. Ela possui propriedades antiinflamatórias e é usada no tratamento de dores estomacais, menstruais, inflamação ou irritação na pele e insônia. A camomila-romana é destilada da planta Anthemis nobilis. Possui propriedades semelhantes às da camomila azul, mas, pelos efeitos mais brandos, é indicada para crianças ou para pessoas com pele
sensível. Usada também como calmante e para despertar a virtude da paciência.


Campestre: Tônico para trazer sorte e ganhos financeiros, aumentando a disposição para o trabalho.


Canela: Óleo de aroma forte, doce e temperado, atua no crescimento pessoal, contra a hipersensibilidade e os acessos de raiva e proporciona sucesso nos negócios, pois atrai sorte e determinação para resolver problemas. Útil para tonificar os sistemas respiratório, circulatório e digestivo, bom para massagem corporal e peles secas.


Cânfora: Contra o pensamento negativo, concede maior liberação de energia e ajuda a resolver casos amorosos abalados.


Capim-limão: Obtido pela destilação de dois tipos de gramíneas naturais da Índia, do oeste da África e da Indonésia, é um ótimo repelente contra insetos. É um poderoso bactericida, usado no tratamento de problemas de pele, poros dilatados e acne.


Cardamomo: Com um cheiro quente e temperado, é usado há mais de 3 mil anos pela medicina oriental. Ajuda a digestão, combate a náusea, a flatulência e a diarréia.


Cedro: Com um perfume suave de madeira e bálsamo, a essência de cedro é muito usada em misturas de óleos para massagens. Proporciona sentimentos de sucesso e honradez e alivia as tensões nervosas. Pode ser usada no tratamento de peles e cabelos oleosos e caspa e é também indicada contra resfriados e como expectorante.


Cravo-da-índia: Possui fortes efeitos estimulantes e propriedades analgésicas. Dá vigor físico, prosperidade e coragem, além de proporcionar um bom relacionamento social.


Erva-doce: Possui um suave aroma de anis, fresco e adocicado. Tem ação calmante, é bom para a pele, contra dores no corpo e possui efeito diurético brando, sendo também indicado no tratamento de flatulência e indigestão.


Eucalipto : Ajuda a reequilibrar o lado emocional e as energias do corpo, agindo contra a angústia. O óleo emana um aroma semelhante à cânfora, sendo muito útil para inalações, a fim de aliviar os sintomas da gripe, da sinusite e de tosses com muco.


Floral: Revigora o entusiasmo e o poder de realizações, combatendo a inquietação e as mágoas.


Flor-do-campo: Aroma que desperta diretamente a parte do intelecto, revigorando a memória e a autoconfiança.


Gerânio: Estimulante do corpo e da mente, atrai sorte e aumenta a coragem e a audácia. Calmante e refrescante, é indicado no tratamento de ansiedade e estresse e tem efeito regulador na produção natural de óleos da pele, podendo ser utilizado por pessoas com pele seca, oleosa ou acnéica.


Hamamélis: Indicado para meditação, atuando no desenvolvimento interior e na compreensão. Afasta as aflições da alma.


Hortelã: Refrescante e relaxante, libera energias retidas por inibição, provoca alegria e desprendimento. Tem propriedade descongestionante, estimulante e refrescante, sendo usado no tratamento de enxaqueca e diversos problemas digestivos, como indigestão e gases.


Ilangue-ilangue: Tem cheiro forte de flores exóticas e efeito relaxante sobre o sistema nervoso. Usado tradicionalmente no tratamento de hipertensão (pressão alta).


Jasmim: Equilibra as diferenças do casal, sendo um afrodisíaco que estimula o chacra sexual. Desperta o humor e as energias adormecidas, é antidepressivo, desfaz a inibição, a falta de confiança e solta a imaginação.


Madeira do Oriente: Aroma sedutor, atrai energias positivas, proporciona força e vitalidade, ajuda na concentração do trabalho e estudos.


Mirra: Um dos aromas mais antigos de que se tem notícia, foi ofertado para o Menino Jesus pelos reis magos. Usado para massagens, tem ação sedativa e age sutilmente no inconsciente. Indicado ainda como cicatrizante, expectorante e tônico.


Opium: Difusor de afetividade, aumenta a concentração e facilita a meditação.


Pinho: Purificador, alivia no descanso do corpo, agindo principalmente nos músculos. Tem perfume suave e refrescante de madeira, sendo eficaz no tratamento de problemas respiratórios, como gripes, resfriados, asma e bronquite. Usado ainda contra problemas circulatórios, varizes e para tratamentos estéticos corporais e drenagem linfática.


Rosa: Associado ao amor, desperta sentimentos fraternais, combate a sensação de solidão, angústia e insegurança. Usado como antidepressivo, tônico, depurativo, afrodisíaco, para o tratamento de peles secas e envelhecidas e para massagem corporal. Calmante e refrescante, é excelente para combater o estresse e os sintomas de TPM (Tensão Pré-Menstrual).


Sândalo: Purificador do corpo e da alma, proporciona a inspiração da mente e da emoção, combatendo a depressão. Tem propriedade bactericida e afrodisíaca. Com um aroma suave, é usado também em massagens para pele seca e no tratamento de cistite.


Tomilho: Destilado principalmente na Espanha e em Israel, é estimulante e pode ser usado para aliviar dores musculares. É empregado ainda como antibacteriano e para tonificar o sistema imunológico, aumentando a resistência do organismo, sendo excelente para tratar de infecções da pele, do aparelho respiratório e das vias urinárias.


Fonte: www.ervasdositio.com.br


Read More

sua saude em dia

Read More

21 outubro 2008

Elemento Ar


O Ar representa-se a leste, onde o sol nasce e a vida se renova pela energia vital. As suas forças são utilizadas em rituais de estudos, conhecimentos, liberdade e viagens.
A sua cor é o amarelo. A estação do ano é a primavera. O sentido regido é a visão e o olfacto . A fase da lua é quarto crescente. Os seus símbolos são a pena, o fumo do incenso, o sino e os aromas. Os seus metais são o ouro e a prata.


Os Silfos são seres alegres e acredita-se que brincam em volta da mente dos pensadores, sonhadores e criativos. Representam, por isso, os poderes da inteligência, da criatividade da comunicação e da intuição. Os silfos são, dentre os elementais, os que mais se aproximam da concepção que geralmente fazemos dos anjos e fadas, e frequentemente trabalham lado a lado com esses mesmos anjos. Eles correspondem à força criadora do ar. A mais suave das brisas, assim como o mais violento dos furacões são resultado de seu trabalho.


O ar é a fonte de toda energia vital. Tem recebido nomes variados em diversas partes do globo como prana, chi, ki etc. mas é sempre essencial à vida. Podemos passar sem comida ou água por períodos mais ou menos longos, entretanto é impossível viver sem ar por um período prolongado de tempo, pois respirar é necessidade básica à manutenção da existência.


Nem todos os silfos trabalham e vivem obrigatoriamente na atmosfera. Muitos possuem elevada inteligência e trabalham para criar o ar e correntes atmosféricas adequadas à vida na Terra.


Quando respiramos profundamente e sentimos um doce frescor no ar, estamos nos familiarizando com o fruto do trabalho deles. Vários silfos desempenham funções específicas ligadas à actividade humana. Alguns trabalham para aliviar a dor e o sofrimento. Outros para estimular a inspiração e criatividade. Uma de suas tarefas mais específicas consiste em prestar auxilio às almas de crianças que acabam de fazer a transição. Também actuam temporariamente como anjos da guarda até estarmos mais receptivos e preparados.


Um silfo é designado para acompanhar cada ser humano ao longo de sua existência. Este silfo nos ajuda a conservar e desenvolver o corpo e aperfeiçoar os processos mentais. Assim, nossos pensamentos, bons ou maus, afectam-nos intensamente. Eles encorajam a assimilação de novos conhecimentos e fomentam a inspiração. Trabalham para purificar e elevar nossos pensamentos e inteligência, e também nos auxiliam a equilibrar o uso conjunto das faculdades racionais e intuitivas. No plano físico, nosso silfo pessoal trabalha para que assimilemos melhor o oxigénio presente no ar que respiramos, bem como para manter adequadamente todas as outras funções que o ar desempenha no corpo e no meio ambiente. A exposição à poluição, fumaça, etc. afecta a aparência do silfo e compromete severamente a eficiência de
seu trabalho no âmbito de nossas vidas.


Eles frequentemente se apresentam sob forma humana, mas são assexuados e chegam a inspirar este tipo de comportamento em alguns seres humanos. Tenho observado que as pessoas nas quais predomina a actividade dos silfos geralmente não colocam a sexualidade no topo de sua lista de prioridades, e frequentemente não conseguem compreender por que isso ocorre com tanta gente. Embora pareça indicar uma certa ruptura com o plano sentimental (elementais da água), devemos ser bastante cautelosos ao fazer tais presunções. O que acontece é que os silfos direccionam este ímpeto sexual e criativo para outros canais de expressão, a saber o próprio trabalho. Contudo, é preciso muito cuidado para não incorrer em extremos; afinal, nenhum de nós pode prescindir de um equilíbrio entre os quatro elementos.


Uma conexão muito forte com os espíritos e elementais do ar torna nossa mente tão activa que ela passa a requerer constante controle e direcção. Pode gerar excesso de curiosidade e intrometimento, paralisar a vontade em virtude da exagerada análise mental e hiperestimular o sistema nervoso, fazendo com que necessitemos de frequentes mudanças. Além disso, pode ocasionar diversas formas de excentricidade, ou ainda induzir a um fanatismo acompanhado de falta de emoção e de sensibilidade. Também costuma gerar um desprendimento em relação ao que é físico e total desinteresse pelas actividades terrenas.


Já a falta de afinidade com os seres deste reino, incluindo o nosso silfo pessoa, pode distorcer nossa capacidade de percepção a ponto de eliminar o bom senso. É possível que fiquemos tão envolvidos com actividades e emoções que não sobre tempo para refletir sobre a própria vida. A tremenda falta de visão perspectiva que resulta disso pode debilitar gravemente o sistema nervoso e, sob essas condições, a curiosidade e imaginação tornam-se escassas ou mesmo inexistentes.


Os silfos provocam inspiração e afectam as faculdades mentais. A conexão com nosso silfo pessoa facilita a assimilação de novos conhecimentos, pois ele trabalha connosco para expandir a sabedoria.


Também são úteis na protecção do lar e propriedades em geral, porque suas abundante energia confunde as mentes de possíveis intrusos, preocupando-os e fazendo com que pensem duas vezes antes de invadir o espaço alheio.


A sintonia com o silfo pessoal confere acesso ao reino dos arquétipos. Ajuda a coordenar e verbalizar nossas percepções. Estimula a liberdade, o equilíbrio mental e uma saudável curiosidade.


A maneira mais eficaz de controlar nosso silfo pessoal é por meio da constância. Uma abordagem consistente e determinada da vida é indubitavelmente a melhor de todas, pois só ela assegura o pleno cumprimento de nossas resoluções.


Read More

Os Princípios Fundamentais da Teologia Gnóstica - Conceito de Gnose

Os princípios gnósticos (do gnosticismo ocidental, da vertente ocidental, bem entendido) têm seu fundamento filosófico em Platão. Para Platão, as idéias, independentemente das coisas e do intelecto humano, são as causas temporais para os objetos sensíveis. As idéias ou formas são entidades incorpóreas e invisíveis, reais, eternas e sempre idênticas a si mesmas, escapando à ação corrosiva do tempo, que torna os objetos físicos perecíveis. Ou seja, nosso mundo tridimensional tem uma origem, um molde, e esse molde é a realidade verdadeira, e não o mundo físico.


Para Platão, porém, os primeiros Princípios, o mundo das idéias, têm a função de objeto do conhecimento. Valem para explicar a realidade física tanto da esfera superior como do mundo. Mais tarde, os sucessores de Platão, baseando-se no Uno, como princípio transcendente, alteraram estas bases do platonismo antigo. Os princípios que eram, para Platão, objetos ou meios de conhecimento passarem a ser considerados uma entidade real, dignos de veneração, que poderiam produzir outros seres por meio de geração ou de emanação. O Uno passou a ser objeto real que poderia produzir outros seres através da emanação ou geração.


Para Piñero e Montserrat, estes dois momentos, a passagem de objeto a sujeito e a possibilidade da geração/emanação, ocorrem em todas as vertentes do platonismo e leva a profundas divergências. Alguns grupos gnósticos prescindem do Uno e consideram dois princípios: o Intelecto e a Alma divinos, o que significa uma concepção diádica. Outros grupos mantêm a existência do Uno, porém afirmam que o Uno gera o Intelecto e a Alma como entidades independentes. Os Princípios primeiros formariam, sob este ponto de vista, uma tríade, Uno, Intelecto e Alma (ou, segundo a ritualística gnóstica, Espírito, Mente e Razão). E ambos os sistemas consideram uma divisão da Alma em duas subentidades:


Uma Alma superior e uma Alma inferior ou Alma do mundo


Os que consideram os três Princípios (Uno, Intelecto, Alma do Mundo) insistem que o Primeiro, o Uno, é o Sumo Transcendente, além do ser e do inteligível. Defendem um processo de descida dos Princípios superiores aos inferiores através da emanação ou geração. O segundo Princípio é o Intelecto e contém em si todos os inteligíveis. O terceiro é a Alma/Espírito, que pode ser concebido como dois subprincípios, uma Alma Inteligível e uma Alma do Mundo.


Este sistema triádico aproxima os gnósticos cristãos à Trindade do Novo Testamento. O Deus Supremo, primeiro Princípio, corresponde ao Deus Pai. O segundo Princípio, o Intelecto, corresponde ao Filho, é o Logos, que se faz homem em Jesus e em todos aqueles que encarnam o Cristo Cósmico. Desse Filho procede a centelha divina, que se encontra nos homens espirituais. O terceiro Princípio corresponde ao Espírito Santo. Em seu desdobramento inferior é o Princípio divino no tempo, a Alma do Mundo, a Natureza e o Criado.


Os gnósticos afirmavam que os judeus conheceram o terceiro Princípio em seu produto inferior, que é o Demiurgo e apenas através da revelação da Bíblia hebréia. Afirmavam também que os cristãos normais não vão além do segundo Princípio, somente os gnósticos, os espirituais, chegariam ao primeiro Princípio.


Para os seguidores do esquema diádico, a metafísica dos princípios é: o "Deus Supremo" é um Intelecto que é bom, o equivalente ao segundo Princípio dos sistemas triádicos acrescido do Bem. O "Segundo Deus" ou princípio do Cosmos, equivale ao terceiro Princípio dos sistemas triádicos ou Alma da Mundo. Este "Segundo Deus" se desdobra em dois subprincípios um inteligível e outro sensível.


À ramificação triádica da tradição platônica pertencem os neopitagóricos, os valentinianos, os basilidianos e Plotino. Ao ramo diádico pertencem Filón, Numenio, Albino e Poimandres e, entre os gnósticos: os sethianos e Justino Gnóstico. Os teólogos da ortodoxia cristã antes do Concílio de Nicéia são teologicamente trinitários, porém filosoficamente diádicos. Pode-se reconhecer, também, nas diversas escolas ou correntes influências de outras tradições filosóficas, em particular do estoicismo.


Para os sethianos, os Princípios (Intelecto/Alma do Mundo) não são concebidos como substâncias. Há uma multiplicidade de graus ou estratos de emanação descendente da divindade:



  1. Primeiro estrato - Formado pelo Uno.

  2. Segundo estrato - Os Eons Superiores Femininos - O sujeito deste estrato recebe o nome de Barbeló. Barbeló se "ergue" diante do Espírito Transcendente e é definido como sua Imagem e seu Pensamento. Ela recebe os nomes de Inteligência, Providência, Incorruptível, Vida Eterna e Verdade. Barbeló vai desempenhar a função de Princípio dos estratos inferiores e Princípio do Universo.

  3. Terceiro estrato - Os Eons Superiores Masculinos - O sujeito deste estrato recebe o nome de Unigênito e Filho. Os Eons do segundo e terceiro estratos formam o Pleroma Superior que virá a ter o momento de queda ou "deficiência".

  4. Quarto estrato - Os Eons do Pleroma Inferior - estes Eons foram engendrados pelo Deus que foi engendrado, o Cristo.

  5. Quinto. estrato - o Eon Sabedoria - A função da Sabedoria (Sophia) é a criação do universo, é a "mãe do universo". Sabedoria é "a que olhou para baixo". Esta descida da Sabedoria é concebida como "inocente".


Há dois motivos para a queda da Sabedoria: primeiro, produz uma obra sem o consentimento do Pai e, segundo, o faz separada de seu consorte. O resultado desta ação é um trabalho imperfeito, o Arconte demiúrgico ou uma sombra que, através da matéria, produz o arconte Demiúrgico. Em função desta obra, a Sabedoria é denominada material (gr. Hylikós).


A Sabedoria busca a luz que a havia porém não pode alcançá-la por causa do impedimento do Limite. Por não poder ultrapassá-lo, por continuar misturada à sua paixão e, ao permanecer abandonada fora do Pleroma, a Sabedoria cai em todo tipo de paixões, multiformes e variadas. Destas paixões (também divinas), nasce a primeira matéria, primordial e inteligível, não sensível, tem origem o Demiurgo. As demais coisas nasceram de seu temor e de sua tristeza. Das lágrimas da Sabedoria vieram as substâncias úmidas; de seu riso, a sabedoria luminosa; de sua tristeza e de seu estupor, os elementos corporais do mundo.


Esta matéria primordial não é o mundo corpóreo, porém o substrato a partir do qual se plasmará o mundo corpóreo. O mundo visível será criado, posteriormente, pela Sabedoria de modo indireto, graças ao Demiurgo.


O Demiurgo - A criação do mundo físico é atribuída ao Arconte Demiurgo.


Esta figura intermediária entre o universo material e o Transcendente serve para afastá-lo do universo de modo que o Ser Supremo fique livre de ter criado diretamente o material porém, o universo, em última instância, foi originado do último termo da divindade, já que o Demiurgo pertence ao âmbito do divino. Com a existência da matéria permaneceram confirmados também a Deficiência, a oposição ao Transcendente e, em último caso, o Mal.


Os gnósticos se dividem quanto à substância da qual é formado o Demiurgo. Para a maioria, possui somente a substância psíquica, para outros, tem dentro de si uma centelha divina que procede da substância de sua Mãe, ainda que logo a perca ao criar o homem.


O Demiurgo engendra ou produz Auxiliares para a obra da criação. Estes auxiliares, os arcontes inferiores, correspondem a dois modelos: o planetário e o zodiacal.


O modelo planetário puro consta de sete arcontes, um para cada círculo planetário. O modelo zodiacal puro consta de doze membros. Há também um modelo misto, zodiacal e planetário. São os 7 e os 12 Salvadores.


A criação demiúrgica - A função do Demiurgo é operar a matéria inteligível, preexistente a ele, por meio de uma forma recebida do alto. Isto significa plasmar o mundo, pelo desejo indireto do Transcendente, a partir da substância primitiva e incorpórea gerada pela sua Mãe Sabedoria. Porém, executa esta tarefa sem saber exatamente o que fazer, pois o faz por mímesis e por ordem do Pleroma, sem disso ter consciência.


Com a criação já concluída pelo Demiurgo, aparecem três substâncias que desempenham papel muito importante na soteriologia:


A substância espiritual, "pneumática" ou divina (que se acha dentro do Pleroma) e, fora dele, na Sabedoria que também é um ente divino e, posteriormente, no espírito ou parte superior do ser humano.


A substância "psíquica"; engendrada pela Sabedoria inferior; é própria do Demiurgo e de alguns níveis intermediários entre a matéria e o espírito, por exemplo, no princípio vital, ou alma do homem.


Em terceiro lugar, a substância puramente material, ou hílica, representada pela matéria toda do cosmo.


O mito cosmológico gnóstico significa que o Uno não intervém de modo direto na criação do mundo. Está demasiado distante para atuar "pessoalmente", pois a matéria é uma entidade degradada, que ocupa um posto muito baixo na escala do ser. O princípio imediato da criação do cosmos é o Intelecto divino no qual se acham as idéias, modelos ou princípios que serviram para criar o cosmo.


Desta cosmologia se deduzem algumas conseqüências importantes para a antropologia, a ética e a soteriologia:



  • · Ao final das contas, tudo procede de uma única fonte, o sumo Transcendente por emanação-degradação;


  • · existe uma separação entre o mundo superior/espiritual (o Pleroma) e o mundo inferior/ material (o kénoma, ou vazio);


  • · a matéria é degradação, a última escala do ser, ainda que proceda de Deus, é fruto de uma deficiência, de uma falta do ser divino;


  • · o mal está incluso na deficiência, na paixão da Sabedoria. O universo, criado pelo demiurgo, é mau. O corpo do homem é a prisão do espírito;


Antropologia - a criação do ser humano é efetuada também pelo Demiurgo, assistido pelos anjos. Na maioria dos sistemas gnósticos, a criação do homem acontece porque o Transcendente, ou um dos Eons superiores, em determinado momento, envia aos anjos do Demiurgo, ou a este diretamente, a forma ou imagem do Homem Celeste ou primordial. Um dos Eons do Pleroma, o Salvador, ou o Pleroma completo, se reflete nas águas inferiores e desencadeia o processo de criação.


A humanidade não é toda igual. Há três classes: uma puramente material:


os hílicos (do gr. Hýle, matéria), que não recebem centelha divina; uma que recebe do Demiurgo o hálito de sua própria e única substância, a psíquica ou anímica,
e uma terceira classe, que recebe a insuflação psíquica e a espiritual ou pneumática.
Os "pagãos", ou materiais, ou hílicos, eram destinados à aniquilação. Os judeus e cristãos eram os psíquicos, viviam a fé e estavam submetidos às regras morais, poderiam salvar-se. Os verdadeiramente espirituais eram os únicos que possuíam o Conhecimento, a gnose. Os gnósticos observavam as leis morais por amor, não por imposição, e se salvariam de fato, não somente pela conduta.


Deste mito, gerado em torno do Gênesis, fica o seguinte:


a). o ser humano, completo, é composto de três partes, a material, o corpo; a anímica ou vital, responsável pelo movimento e pelas funções vitais; e a espiritual, divina, independente da matéria, aprisionada no corpo. Esta é uma centelha do divino que desceu até a matéria.
b). O processo pelo qual a centelha divina está aprisionada ao corpo explica a situação atual do ser humano. Porém, o verdadeiro é o espírito, a centelha, que não é deste mundo, mas da divindade.
c). Há uma distinção entre alma e corpo e também entre alma superior (o espírito: objeto da salvação) e a alma inferior, ou simplesmente alma.

Read More

20 outubro 2008

Bigfoot (Estados Unidos), Abominável Homem das Neves (Himalaias), Mapinguari (Amazónia), Yowie (Australia), Yeti (Asia)

20050606101134g.jpgUma criatura semelhante a macaco presumivelmente avistada centenas de vezes nos EUA e Canadá (muitas vezes no Noroeste) desde o seculo 19. Do mesmo modo o Yeti na Asia ou o Abominavel Homem das Neves, o Bigfoot é descrito com a altura de 2-3 m e pesando mais de 200 kg, com pegadas de 43 cm de comprimento. A maior parte dos cientistas negam a existência de tal criatura.


David Oren, um ornitólogo, estava a examinar fezes, tal como bolas de pelos, acreditados como pertencentes ao Mapinguari, a versão amazónica do Bigfoot. Oren especula que o monstro é o descendente de uma espécie considerada extinta há 8500 anos. O Mapinguari é descrito como tendo pêlo ruivo escuro. Apesar de Oren ter ouvido muitas testemunhas nos ultimos nove anos de indios e borracheiros, ainda nunca viu a criatura.

Read More

18 outubro 2008

As 7 mulheres com quem nunca deve ter uma relação


Todos os homens têm critérios de selecção quando pensam em convidar alguém para sair ou até só para descobrir se dali será possível uma relação amorosa. Dependendo de cada um, existem aquelas mulheres que nos atraem logo, e existem aquelas que nem nos damos ao trabalho de olhar uma segunda vez. No entanto, às vezes existem situações que são menos confortáveis pois a nossa cabeça diz-nos que não, mas o nosso corpo grita de desespero pelo sim. Nestes casos convém que o racional se sobreponha ao emocional, pois o resultado pode não ser o mais satisfatório.


1. A irmã da sua ex-namorada. Tentar ter uma relação com a irmã da sua ex-namorada é um não-não! Por muito diferente que a irmã pareça ser, ela na realidade não o é. Para além disso existem comparações inevitáveis: "é mesmo de família!". Quando se abandona uma genética parte-se em busca de outra.


2. A sua secretária. Não há nada que as mulheres mais admirem que o poder, e ela olhá-lo com admiração não é nada de extraordinário, afinal você é o boss. Para além de não falar das implicações ilegais subjacentes a uma relação destas, saiba que você é maior que isso. Muita gente já foi despedida do seu emprego ou criou mesmo uma reputação de mau profissional porque entrou em relações desta natureza. Saiba que ela irá contar tudo à sua melhor amiga, que por acaso também trabalha na mesma empresa, e que depois irá contar a todo o mundo, e ela não irá contar o melhor sobre si.


3. A sua ex-namorada. Ah e tal, a ex-namorada é fácil de voltar a conquistar, pois até já se conhece bem. Esqueça! Lembre-se sempre das razões que fizerem com que a relação terminasse!


4. A ex do seu amigo. A ex do seu amigo até pode ver em si um amigo, e como o conhece você poderá parecer o ombro ideal para ela deitar a cabeça e chorar. Nem pensar! Ela terá certamente outros ombros para chorar. E por muito atractiva que você a considere, há mais mulheres no mundo, ela é o que se chama de "mulher morta", simplesmente não existe para si. Se dá valor à amizade esqueça.


5. A mulher interesseira. Esta mulher pode ver-se ao longe ou não... Mas é fácil descobri-la: logo que o seu dinheiro tiver acabado, ela atirá-lo-á para a sarjeta e procurará outro rapidamente.


6. A sua patroa. A sua patroa é um homem! E é assim que deve continuar a pensar se não quiser ser despedido. O que pode pensar que irá correr bem, correrá muito mal logo que a situação profissional e pessoal se misturem. Lembre-se: ela é um homem.


7. A ex-mulher do seu patrão. Esta pessoa é um NÃO gigante! Se gosta do que faz e pretende fazê-lo durante muito tempo, e pretende que a sua reputação na área profissional permaneça intacta, esqueça esta mulher, pois o seu patrão poderá não querer mais nada com ela, mas se ele puder vai arruinar a sua carreira antes de você a levar a jantar fora a segunda vez.


As 7 mulheres com quem nunca deve ter uma relação | Cromossoma Y


Read More

16 outubro 2008

Benefícios da massoterapia

Massagem ou massoterapia é a cura com mãos pela aplicação de várias técnicas de manipulação de músculos e ossos.




Estas técnicas envolvem a aplicação de pressão fixa e dinâmica, e apertar e movimentar partes do corpo com as mãos e dedos.




O massoterapêuta pode usar também outras partes de seu corpo tais como antebraço, cotovelos ou pés. Estas técnicas afetam os sistemas muscular, esquelético, circulatório, linfático, nervoso, entre outros.




O Objetivo da massagem é bem claro: agir de forma positiva sobre a saúde e bem estar do cliente.




Vários benefícios para a saúde física e mental podem ser atribuídos à massagem: a redução de estresse e facilitação do relaxamento, redução do batimento cardíaco, redução da pressão sangüínea, melhoria da circulação sangüínea e linfática, relaxamento dos músculos, redução da dor crônica, e melhoria da amplitude dos movimentos articulatórios.




A massagem também pode ser benéfica em várias doenças.




Benefícios físicos:




. Relaxamento global do corpo,


. Relaxamento de músculos tensos,


. Alívio da dor e cansaço muscular,


. Sedação do sistema nervoso,


. Aumento da flexibilidade e amplitude de movimentos,


. Redução da dor crônica,


. Melhoria do tonos da pele,


. Auxílio na recuperação de lesões e doenças,


. Fortalecimento do sistema imunológico,


. Redução de dores de cabeça devidas à tensão.




Benefícios mentais:




. Redução da tensão mental (stress),


. Melhoria da concentração,


. Melhoria do sono,


. Auxílio à relaxação.




A massoterapia é reconhecida como um dos mais antigos métodos de tratamento, com referências em textos médicos com aproximadamente 4.000 anos. De fato, Hipócrates, conhecido como o pai da Medicina, disse a respeito de massagem no Século 4 A.C.: "O médico deve se familiarizar com várias coisas, e certamente com esfregar (massagem)".




Na realidade, massoterapia é muito mais que esfregar. Massagem é pressionar, apertar, bater, comprimir, vibrar, balançar, friccionar, entre várias outras técnicas. Existem várias técnicas de massagens.


Site Médico

Read More

14 outubro 2008

Mitos e falácias sobre a sexualidade masculina:




  • Quanto maior seja o tamanho do pênis maior prazer obtém-se e maior prazer proporciona-se;

  • Um homem com um pênis muito grande tem maior potência sexual que outro que tem um pênis menor;

  • A satisfação sexual da mulher depende do tamanho do pênis;

  • Um pênis pequeno não pode proporcionar prazer à mulher;

  • Um homem sempre deve estar disposto a ter relações sexuais;

  • Um homem sempre está disposto e deve sempre ter a iniciativa nas relações sexuais;

  • Se um homem não se excita numa situação sexual "é bicha" ou "brocha";

  • Um homem não deve dizer nunca "não" ao sexo;

  • O homem em plenas condições sexuais deve ter ereção sempre que vê uma mulher;

  • A prática sexual requer sempre uma boa ereção(quanto maior melhor);

  • Um homem deve ter uma ereção total para ter orgasmo e ejacular;

  • Quando um homem perde sua ereção é que não achou a parceira sexualmente atraente;

  • As pessoas de raça negra gozam de um maior impulso e potência sexual;

  • Um homem sempre sabe sobre sexualidade e sobre como levar as relações sexuais;

  • Um verdadeiro homem não chora nem expressa seus sentimentos;

  • Um homem deve agüentar até que a mulher tenha tido seu orgasmo;

  • Quando o homem ejacula termina a relação sexual;

  • Por natureza os homens têm bem mais desejo que as mulheres;

  • Não há mulher frígida senão homem sem experiência.


Read More

12 outubro 2008

Nutrição e obesidade


foto%20freud%20jardim%20velhinho%20exr_3_f1.jpgSegundo a concepção Freudiana, desejo é um dos pólos do conflito defensivo.

O desejo inconsciente tende a realizar-se restabelecendo, segundo as leis do processo primário, os sinais ligados às vivências de satisfação. A Psicanálise mostrou no modelo do sonho, como o desejo se encontra nos sintomas sob forma de compromisso.

Em qualquer concepção do homem existem noções tão fundamentais, que não podem ser delimitadas; este é, incontestavelmente, o caso do desejo na doutrina Freidiana.

A definição mais elaborada refere-se à vivência de satisfação, após a qual...a imagemmnésica de uma certa percepção se conserva associada ao traço mnésico de excitação resultante da necessidade.

Logo que essa necessidade aparece de novo, produzir-se-á, graças à ligação que foi estabelecida, uma moção psíquica que procurará reinvestir a imagem mnésica desta percepção e mesmo invocar esta percepção, isto é, restabelecer a situação da primeira satisfação: a essa moção é que chamamos desejo; o reaparecimento da percepção é a "realização do desejo".

Esta definição nos leva a propor as seguintes observações:

• Freud não identifica a necessidade com desejo; a necessidade, nasce de um estado de tensão interna, encontra a sua satisfação pela ação específica que fornece o objeto adequado (alimentação, por exemplo); o desejo está indissoluvelmente ligado a "traços mnésicos", e encontra a sua realização na reprodução alucinatória das percepções que se tornaram sinais dessa satisfação.

• A procura do objeto no real é inteiramente orientada por esta relação com sinais. É a articulação destes sinais que constitui aquele correlativo do desejo que é a fantasia.

• A concepção Freudiana do desejo refere-se especialmente ao desejo inconsciente, ligado a signos infantis indestrutíveis.

Fonte: pos-saber


Read More

10 outubro 2008

dez coisas que talvez não saiba sobre a Terra



  • A Terra é mais lisa que uma bola de bilhar.
    É possível que você já tenha ouvido a afirmação de que se a Terra fosse reduzida ao tamanho de uma bola de bilhar seria inclusive mais lisa que esta.

    Uma bola de bilhar tem aproximadamente 5.7 cm de diâmetro com um desvio de +/- 0.01 cm. Tendo em conta que a Terra tem um diâmetro de 12.735 quilômetros, e sem contar mares e montanhas, poderia ser dito que nosso planeta é bastante liso.

    Mas o mais surpreendente é que ainda contando com o ponto mais alto, Everest (8.850 m), e o mais profundo a fossa das Marianas, -11.000m), os parâmetros da Terra estariam dentro do aceitável para uma bola de bilhar, assim que por sua vez a lenda urbana é verdadeira.


  • A Terra é abaulada.
    Muito bem, a Terra é lisa, mas é suficientemente redonda?

    Como todos sabem, nosso planeta não é uma esfera perfeita, e isso se deve a seu próprio movimento giratório. A força centrífuga provoca que o planeta se curve ligeiramente em forma de esferóide oblato, de maneira que se medirmos o diâmetro entre os polos e o compararmos com o diâmetro do Equador, obtém-se uma diferença de 42,6 quilômetros. E isso é muito mais do que admitiríamos para uma bola de bilhar.


  • A Terra não é tão abaulada.
    No entanto, dizer que a Terra é um esferóide oblato pode ser um exagero. Para definir sua forma devemos levar em conta as forças gravitacionais do Sol e da Lua.

    Nosso satélite, por exemplo, é capaz de elevar até um metro o nível do mar e "é possível" que uns 30 centímetros de terra firme. Esta força é muito menos potente que a da rotação da Terra, mas segue existindo.

    Outras forças que atuam sobre nosso planeta são a pressão causada pelo peso dos continentes ou a elevação que provocam as placas tectônicas, mas em resumo, ainda que não seja uma esfera perfeita, se a segurássemos numa mão como se fosse uma bola de bilhar, dificilmente perceberíamos a diferença.


  • A Terra também não é exatamente um geóide.
    Se concluímos que a Terra é um objeto com forma "quase esférica ainda que com um ligeiro achatamento em seus pólos", então deveríamos afirmar sem medo que se trata de um geóide. Mas também não é. Ao menos exatamente.

    Se nosso planeta estivesse completamente coberto por água, o que não demorará muito a acontecer do jeito que vamos, então a superfície seria um geóide. Mas como os continentes não são tão dúcteis, a forma da Terra só se aproxima ao de um geóide.

    Para solucionar este assunto, entre outros, foi enviado ao espaço um satélite chamado GOCE que explorará as forças gravitacionais e a forma do planeta.


  • Que aconteceria se saltássemos num buraco que atravessasse o planeta pelo núcleo?
    Morreríamos, evidentemente. Mas vamos supor que fossemos feitos de algum material mágico que nos permitisse sobreviver à queda de 13.000 km, demoraríamos 20 minutos em chegar ao interior da Terra e outros 20 minutos em chegar ao exterior pelo outro extremo.

    O problema é que antes de chegarmos à superfície voltaríamos a cair, e esta viagem de ida e volta se repetiria uma e outra vez durante toda a eternidade.


  • Por que o interior da Terra é quente?
    A primeira fonte de calor remonta-se à formação de nosso planeta: o choque dos primeiros planetas teria provocado uma quantidade de energia suficiente para transformar nossa incipiente Terra numa bola de fogo. A contração provocada pela gravidade teria gerado um segundo aumento da temperatura, ao que há que somar o deslocamento dos metais mais pesados para o núcleo e a presença de elementos radioativos, como o urânio.

    Sem esquecer, ademais, que a crosta terrestre é um excelente isolante, capaz de conservar o calor durante os últimos 4 bilhões de anos.


  • A Terra tem ao menos cinco satélites naturais.
    Bom, em realidade não. Além da Lua, há outros quatro objetos, ao menos, que têm sua órbita relacionada à da Terra no sistema solar, mas não são propriamente satélites.

    O maior de todos estes objetos, Cruithne, tem 5 quilômetros de diâmetro e traça uma órbita realmente estranha desde nosso ponto de vista.

    Este asteróide, como os outros três, órbita em realidade ao redor do Sol e, de acordo com a Wikipédia, "compartilha a órbita da Terra de maneira não estável, isto é, não será assim para sempre, com um movimento tal que impede que se choque contra ela, ao menos nos próximos milhões de anos". Melhor bater 3 vezes na madeira.


  • A Terra está engordando.
    Em sua viagem ao redor do Sol, nosso planeta está levando adiante ingentes quantidades de lixo estelar, desde pequenos asteróides até o pó cósmico que vemos cruzar o céu nas noites de verão.

    Ao todo, a cada dia caem a nosso planeta de 20 a 40 toneladas deste material, suficiente para encher um edifício de seis andares ao longo de um ano.

    Esta quantidade representa só o 0.0000000000000000006% da massa de nosso planeta e seriam necessários 450.000 trilhões de anos para dobrar a massa da Terra deste modo.

    Apesar de que é pouco, e de que a atmosfera também perde massa por sua vez, o balanço é positivo para a Terra e podemos dizer que ela está, a cada dia, mais gordinha.


  • O monte Everest não é a montanha mais alta.
    Se medimos a altura de uma montanha em termos mais justos, os 8.850 metros do Everest não bastariam para creditar-lhe como o maior do planeta, dado que o vulcão Mauna Kea, no Hawai, mede 10.314 metros desde sua base, nas profundidades marinhas, até o cume.

    Só sobressai 4.205 metros sobre o nível do mar, mas se considerarmos o todo é bem maior que o Everest e ademais tem um observatório em seu cume.


  • Destruir a Terra é bastante complicado.
    O que seria necessário para vaporizar um planeta como a Terra? Se definimos vaporizar como transformar em pedaços tão pequenos que se dispersem e não possam se unir de novo pela gravidade, a quantidade de energia necessária seria descomunal.

    Se quiséssemos desintegrar a Terra mediante bombas nucleares, por exemplo, seria necessário um grande arsenal e um montão de tempo. Se explodíssemos todas as bombas nucleares existentes em nosso planeta a cada segundo, levaria 160 mil anos para converter a Terra numa nuvem de gás no espaço.

    Inclusive as grandes colisões estelares não bastam para desmaterializar um planeta. A Terra recebeu o impacto de um objeto do tamanho de Marte há vários milhões de anos e o lixo resultante formou a Lua, mas não nos apagou do mapa. É por isto que o raio da Estrela da Morte em Star Wars não é ficção científica, senão simples fantasia. A quantidade de energia necessária para desintegrar um planeta é muito elevada, inclusive para o Lado Negro da Força.


Outras dez coisas que talvez não saiba sobre a Terra - Metamorfose Digital


Read More

08 outubro 2008

Um princípio da Yoga para qualquer momento


y byTamela.jpg Relaxar na postura

Se houver uma maneira fácil para reduzir as tensões do dia a dia e sentir mais prazer, você se interessaria? Veja nesta matéria como um princípio da Ioga pode ser aplicado para isto, mesmo sem qualquer prática.

Comece observando sua testa. Há alguma tensão por ali? Se houver, relaxe, solte os músculos da região. Agora note seus ombros e faça o mesmo. De novo com os quadris.

Agora pegue um objeto qualquer que esteja perto de você e segure-o com os braços estendidos à frente. Procure agora reduzir o excesso de tensão muscular, relaxando o que for possível no braço e na mão enquanto continua segurando o objeto.

Se você não pratica relaxamento ou meditação com regularidade, provavelmente notou que havia energia além da necessária sendo aplicada em cada situação, e retirá-la não afeta o resultado final.

Eliminar a tensão não-útil é um princípio da Yoga, chamado "relaxar na postura". Após se atingir alguma postura, reduz-se a energia aplicada à permanência. Esse princípio é extremamente fácil de ser aplicado, podendo ser estendido para várias situações da vida prática. E devido à ligação sistêmica corpo-mente, um corpo mais relaxado induz mente mais relaxada (além de contribuir para evitar rugas!).

Veja algumas situações cotidianas em que se pode aplicar o princípio de relaxar na postura:

- dirigindo, enquanto espera no semáforo
- ao tomar um cafezinho
- ao dar uma garfada em uma refeição
- Ao deitar-se para dormir ou descansar
- ao assistir televisão
- Ao ler
- Enquanto espera a página Web carregar (muitas oportunidades!)

Há duas formas de se relaxar na postura: através de várias operações de relaxamentos parciais (testa, ombros, quadris, pernas) ou uma só: de uma vez você solta o que puder no corpo inteiro. Fazendo, rapidamente você vai descobrir sua melhor maneira. Sem contar que, quando se tornar um hábito, você nem precisará comandar conscientemente. E se quiser que isto aconteça mais rapidamente, faça alguns exercícios de imaginar-se relaxando na postura em situações variadas.

Veja mais idéias de situações onde aplicar o princípio:

- Agora!
- Ao caminhar
- No beijo
- Ao assistir uma aula ou palestra
- Ao fazer um carinho (imagine-se recebendo um de uma pessoa que está relaxada na postura!)
- Ao clicar o mouse ou digitar
- Ao refletir para tomar uma decisão
- Quando estiver com raiva
- Ao pentear os cabelos
- Ao se esfregar no banho
- Ao esperar o elevador
- Ao esperar um monte de coisas!
- Enquanto apenas curte a água quente no banho
- Em momentos de prazer em geral

Você já deve ter percebido a infinidade de situações nas quais se pode relaxar na postura. E você ainda pode combinar o relaxamento com a respiração: ao expirar, solte-se.

Haverá porventura alguma situação em que não convém fazer isto? Talvez, como por exemplo nos casos em que a tensão extra faça parte de processos que levam você a agir. Nestes casos relaxar pode não ser a melhor opção. Como regra geral, considere relaxar na postura quando for útil aos seus objetivos, e não aplique o princípio quando perceber que atrapalha mais do que contribui. Sua experiência é a melhor mestra.

Bom proveito e, só para fixar, que tal soltar-se agora em sua postura?



Fonte: Virgílio Vasconcelos Vilela


Read More

04 outubro 2008

A Yoga e o caminho do auto-conhecimento


Y.jpgMuitas são as pessoas que buscam a Yoga para suprir alguma necessidade pessoal, como dores nas costas, estresse, depressão, problemas de concentração, ansiedade, excesso de peso etc.

Entretanto, observo que quando essas pessoas começam a praticar Yoga, elas entram totalmente em contato com aflições e dores internas e externas. No início, a mente julga, os pensamentos não param e a agitação do corpo é bem evidente.

Porém, a medida que o indivíduo vai praticando e se entregando durante as práticas, sem expectativas e sem cobranças, algo vai surgindo de muito especial. Nota-se que os pensamentos se acalmam, o corpo relaxa e os olhos e todo rosto são tomados por um brilho especial. A partir de então, todo o processo será cada vez mais prazeroso e divertido.

A prática da Yoga conscientiza-nos dos apegos e daquilo que não está harmonioso em nossa vida. As práticas não se restringem só nas aulas, pois a aula é apenas uma referência básica para você mesmo dar continuidade no seu dia-a-dia.

A vida pode ser conduzida com amor, respeito e presença. E, portanto, durante as aulas enfatizamos totalmente estes princípios de amor, respeito e presença.

É comum as pessoas sentirem as impressões do passado, as aflições do presente ou as ansiedades do futuro que são estados internos que limitam a fluidez na vida, colocando a pessoa na separatividade.

Yoga é União. União dos sentidos e das percepções, do interno com o externo, do Eu com você. É desprendimento do meu, do eu, do "eu tenho que". É abertura e renovação.

Só é possível praticar Yoga através da disciplina, continuidade e dedicação. Muitas pessoas se auto-sabotam pela preguiça, pela dúvida, indiferença, indisponibilidade, falta de vontade de crescimento pessoal, medo ou insegurança entre tantos outros.

É comum começar algo e logo se deixar levar para a negatividade, portanto é de sua responsabilidade manter o foco e sustentar qualquer comprometimento consigo mesmo. A disposição para passar por esse processo é fundamental e os benefícios surgem gradualmente.

Nos damos conta das nossas limitações apenas quando estamos prontos para realmente enfrentá-las. Enfrentar (estar em frente a) é apenas estar lá, presente, integrando e harmonizando tudo aquilo que emergir.

Depois de algum tempo é possível perceber que não existe limitações, e que elas eram apenas ilusões criadas pela nossa própria mente. Sempre há um novo caminho e esse caminho pode ser o AMOR. Depende apenas de você fazer esta escolha.



Fonte: Elaine Lilli Fong
Yoga - Instituto União
http://www.institutouniao.com.br/yoga"


Read More

oracao de sao francisco de assis



Oração

"Meu São Francisco de Assis

Protetor dos animais

Olhai por nós que rogamos
Vossa bênção e muita paz.

Olhai os abandonados
Sofrendo agruras nas ruas
E os que puxam carroças
Açoitdos nas ancas nuas.

Pelos pobres passarinhos
Que não podem mais voar
Presos em rudes gaiolas
Só porque sabem cantar.

E as cobaias de laboratório
Que sofrem dores atrozes
Em experiências terríveis
Que lhes impõem seus algozes.

Pelos que são abatidos
Em matadouros insanos
Para servir de alimento
Aos que se dizem humanos.

Olhai os que são perseguidos
Sem piedade nas florestas
Só por causa da ambição
Dessas caçadas funestas.

Pelos animais de circo
Que não têm mais liberdade
Presos em jaulas minúsculas
À mercê de crueldade.

Olhai os bois de rodeio
E os sangrados nas touradas
Barbárie e crimes impostos
Por pessoas desalmadas.

Pelos que têm de lutar
Até a morte nas rinhas
Quando o Homem faz apostas
Em transações tão mesquinhas.

Olhai para os que são mortos
Nos macabros rituais
Em altares religiosos
Que usam sangue de animais.

Meu bondoso protetor
Oro a vós por meus irmãos
Para que sua dor e tristeza
Não sejam sofrimentos vãos."

Read More

01 outubro 2008

Controvérsias entre os Gnósticos e a Igreja Católica

Texto de autoria da doutora Lucy Terezinha Tonietto, Psicóloga com especialização em Psicologia Analítica pela Puc-PR; com mestrado em Ergonomia relacionada à Individuação pela UFSC; doutoranda em Engenharia de Produção e Sistemas na UFSC.


No início da Era Cristã, havia grande diversidade de pensamentos. Nos primórdios, quando não havia Igreja constituída, todos os Evangelhos eram aceitos e nenhum era considerado mais ou menos verdadeiro. Com o passar do tempo, as opiniões foram se firmando cada vez mais, o desentendimento levou a uma cisão mais radical e os evangelhos cristãos foram o instrumento da separação das idéias.


Os Evangelhos foram classificados em:


Canônicos, os que passaram a compor o Novo Testamento;

Pitorescos e romanescos sobre a vida de Jesus, foram deixados de lado e;


Uma terceira categoria dos que foram considerados heréticos, por trazerem idéias muito diferentes das idéias aceitas pelos cristãos ortodoxos. Foram mandados destruir e foram proibidos. Dentre estes, encontra-se a literatura gnóstica.


A palavra heresia, do grego haíresis, hairen significa escolha. O cristianismo deu a essa palavra uma conotação pejorativa de "a doutrina que está fora da Igreja", isto é, contrária aos princípios da fé cristã, aquele que se afasta da verdadeira fé. Herege pode ser qualquer pessoa cuja visão alguém não goste ou denuncie. "No fundo, heresia nada mais é do que divergência de opinião."


As heresias dos primeiros séculos da era cristã se referem a reflexões filosóficas e teológicas em torno de dogmas cristãos, principalmente as que dizem respeito à Ressurreição de Cristo, à Trindade e à natureza humana de divina de Cristo.


Hoje, com base nos textos da Biblioteca de Nag Hammadi e nos textos do Novo Testamento, levanta-se a hipótese de que, junto com o aspecto teológico, o centro de interesse do pensamento da época, havia uma acirrada disputa política, de poder e de dominação.


A Igreja, em torno do ano 220 d.C., criou uma estrutura organizacional dividida em hierarquias bem definidas: bispos padres e diáconos, e passou a ditar as normas da "fé verdadeira". A base desta estrutura hierárquica foram: 1º. as afirmações de que Cristo delegou poderes a Pedro de representá-lo na terra, 2º. que os primeiros a verem Cristo ressuscitado foram os Onze Apóstolos, e 3º. que a ressurreição foi um fato físico, que aconteceu em carne e osso. Todos os pontos de vista que não estivessem de acordo com o dos componentes desta estrutura hierárquica passaram a ser considerados heréticos.


O aval mais significativo para a disputa da Igreja vem do Evangelho de São Mateus que Em Mateus 16:18-19 lê-se: E eu, eu te digo: 'Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e a Potência da morte não terá força contra ela. Dar-te-ei as chaves do Reino dos céus; tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.' Pedro, por esta afirmação, recebeu de Jesus, a única autoridade que era reconhecida por todos, a liderança do movimento.


Porém, a leitura do Evangelho de São Marcos, 10:42-45, mostra um Jesus contrário à idéia de autoridade. Marcos conta que Jesus responde aos apóstolos indignados com Tiago e João quando estes lhe haviam pedido para assentar-se respectivamente à sua direita e esquerda na glória: Como sabeis, os que são considerados chefes das nações as mantêm sob seu poder, e os grandes, sob seu domínio. Não deve ser assim entre vós. Pelo contrário, se alguém quer ser grande dentre vós, seja vosso servo, e se alguém quer ser o primeiro entre vós, seja o escravo de todos. Pois o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate pela multidão. Estas palavras de Jesus denotam que ele não tinha a preocupação em criar uma organização com autoridade e poder na terra, ou no céu.


Como conseqüência de Jesus ter nomeado Pedro o substituto de sua autoridade incontestável, somente ele e seus legítimos sucessores, dali para frente, teriam credibilidade para manter as rédeas da organização que se formava. Esta não poderia ser questionada ou contrariada. Tudo o que ela "ligasse ou desligasse" na terra seria "ligado ou desligado" também no céu.


Os gnósticos contestavam os ortodoxos afirmando que enquanto eles (os ortodoxos) confiavam apenas nos ensinamentos públicos que Cristo oferecia aos "muitos", os gnósticos ofereciam também os ensinamentos secretos conhecidos de alguns poucos.


A teoria de que toda a autoridade provém da experiência de certos apóstolos com o Cristo ressuscitado, "experiência agora definitivamente encerrada" - tem tremendas implicações na estrutura política da comunidade.


O terceiro item da base da estrutura hierárquica, a ressurreição como fato físico, que aconteceu em carne e osso, tem uma função política importante, legitima a autoridade dos sucessores do Apóstolo Pedro. "Do século 2º em diante, essa doutrina serviu para validar a sucessão apostólica dos bispos, que é o fundamento da autoridade papal até os dias de hoje. Os cristãos gnósticos que interpretam a ressurreição de outras maneiras teriam assim menos direito à autoridade; e, quando afirmam prioridade sobre os ortodoxos, são denunciados como hereges."


Tertuliano, um bispo historiador, define a posição ortodoxa: "O que ressuscita é essa carne, regada de sangue, sustentada por ossos, entremeada de nervos, entrelaçada de veias; uma carne que nasceu e que morre, indubitavelmente humana", e acrescenta: "É preciso crer porque é absurdo".


No entanto, para os gnósticos, a ressurreição poderia ser interpretada de diversas maneiras. A primeira delas seria a possibilidade de vivenciar a experiência de Cristo dentro de cada indivíduo, em qualquer momento do presente ou futuro e não um fato que aconteceu e não mais se repetirá. A ressurreição, para os gnósticos, não era um acontecimento do passado. Ela simbolizava a maneira que a presença de Cristo poderia ser vivenciada a qualquer momento. Alguns gnósticos consideravam a idéia da ressurreição da carne, numa interpretação literal, "extremamente repulsiva, repugnante e impossível" e para outros, essa interpretação da ressurreição era considerada "a fé dos tolos". Acreditavam que isto se devia à falta de compreensão do significado de uma verdade espiritual, que era uma confusão com um fato real.


Para eles, o não ter convivido com Cristo podia transformar-se em vantagem pois a pessoa, impossibilitada de encontrá-lo fisicamente, poderia experienciá-lo internamente, da mesma maneira que Paulo encontrou Cristo no caminho de Damasco: uma vivência interior. "O que importa não é ver literalmente, mas sim a visão espiritual."


Outra interpretação dos gnósticos era que as aparições de Cristo, após a sua morte, seriam visões recebidas em êxtase ou em sonhos ou em momentos de iluminação espiritual. E as visões, para os gnósticos, não eram consideradas fantasias ou alucinações mas sim a maneira pela qual a "intuição espiritual revela a natureza da realidade".


Pagels conta que uma carta encontrada em Nag Hammadi, de autor desconhecido, Tratado Sobre a Ressurreição, escrita ao discípulo de nome Rheginos, diz: "Não suponha que a ressurreição seja uma aparição. Não é uma aparição, e sim algo real. Deveríamos, ao invés, sustentar que o mundo é uma aparição e não a ressurreição". Prossegue em outro trecho da carta: "A existência humana comum é morte espiritual, mas a ressurreição é o momento de iluminação. É a revelação do que verdadeiramente existe, e uma migração em algo novo. Aquele que compreender torna-se espiritualmente vivo. Podemos ressuscitar dentre os mortos. Será você mera corrupção? Examine-se a si mesmo, e verá que já ressuscitou".


Outro texto de Nag Hammadi, O Evangelho de Felipe, ensina: "Aqueles que afirmam que primeiro haverão de morrer para depois ressuscitar incorrem em erro. Seria preciso receber a ressurreição enquanto vivem. É necessário ressuscitar nesta carne, pois tudo existe nela".


Pagels declara em Os Evangelhos Gnósticos que Irineu afirma que a prova da validade dos evangelhos é o fato de terem sido escritos pelos próprios discípulos e seguidores de Jesus que testemunharam o que escreveram. Hoje alguns estudiosos da Bíblia contestam esta afirmação. Da mesma forma, os autores gnósticos atribuíam os seus escritos secretos a diversos discípulos. Alguns podem até ter recebido parte do material de antigas tradições, mas alguns admitem que obtinham a gnose através de sua própria experiência.


Pela maneira que os cristãos gnósticos interpretavam a ressurreição, essa autoridade seria esvaziada e quando faziam tal interpretação, eram acusados de hereges. Há que se salientar que os gnósticos tinham consciência do aspecto político da questão.

Read More